BIHUB PATH

October 21, 2020

O SPRINT COMO “SUPLEMENTO” PARA A REDUÇÃO DE RISCOS DE LESÕES NOS ISQUIOTIBIAIS?

Rendimento Desportivo

INSCRIVA-SE PARA O Certificado em Carga de Trabalho e Lesões em Desportos em Equipa

ENTRAR
318K

Atualmente uma das principais características do futebol é o aumento das jogadas realizadas em altas velocidades. É de vital importância isso, pois foi constatado que a maioria dos gols e passes decisivos aconteceram depois de um excelente sprint.1 Por outro lado, também devemos levar em consideração que lesões que perduram por mais tempo nos atletas,2 são as lesões dos músculos isquiotibiais e mais da metade das incidências acontecem durante um sprint.3 Esta vertente expõe o sprint em uma fina linha paradoxal: O desempenho final no futebol está relacionado com a capacidades de realizar jogadas rápidas e ao mesmo tempo aumentam o risco de lesões.

O sprint é um aliado ou não na preparação de um atleta?

Isso poderia mascarar um sprint em um “inimigo” ao ser evitado durante os treinamentos de atletas. Em contrapartida, de acordo com especialistas como Jurdan Mendiguchia ou Jean-Benoît Morin, o sprint deveria ser o “meio e o objetivo de qualquer estratégia de prevenção eficaz”,4 oferecendo uma “vacina” às lesões musculares de isquiotibiais. Isso contrasta com as estratégias de prevenção de lesões mais comuns, as quais não levam em consideração muitas ocasiões durante a interação dos diferentes fatores de risco envolvidos na ação de um sprint e focalizam fatores de maneira isolada como, por exemplo a força. Além disso, um problema associado é a força que normalmente usamos e avaliamos durante ações com baixa velocidade e padrões de movimentos que não sejam específicos de um sprint.5 Por isso, as demandas solicitadas para melhorar as condições de um determinado grupo muscular durante protocolos empregados “parecem insuficientes” se comparadas com as de uma ação de um jogo real.4 Por exemplo, os exercícios normalmente empregados para o fortalecimento e necessitam entre 18 e 75% da atividade eletromiográfica que os isquiotibiais alcançam durante um sprint.6

Com tudo isso, a prevenção das lesões musculares nos isquiotibiais requer um enfoque global ao tratar o próprio sprint como deve e colocar no centro dos programas de prevenção. Isto coincide com os dados de um estudo que avaliou atletas que fizeram atividades com mais de 95% do seu potencial de máxima velocidade desenvolveram menos riscos de se lesionarem ao compará-los com aqueles que o fizeram com 85%.7 Assim, a exposição regular às ações de um sprint parece agir como uma “vacina”, ao reduzir riscos de lesões musculares.4

Esta proposta metodológica segue a mesma linha que o estudo de consenso, que recentemente foi publicado8 e que contaram com a participação de membros do departamento médico do FC Barcelona no qual sugerem que treinamentos com o uso de sprint pode ser uma das estratégias mais eficazes no combate à lesões. Apesar dos diferentes conceitos a proposta é coerente e ainda não existem evidências experimentais que confirmem que o sprint seja um exercício que colabora na redução das incidências de lesões na zona muscular isquiotibial. Por isso, os renomados pesquisadores Jurdan Mendiguchia e Pedro Jiménez-Reyes recentemente publicaram um estudo sobre a comparação dos efeitos sobre o desempenho nas ações de alta velocidade e a arquitetura muscular do treinamento excêntrico dos isquiotibiais (grupo “nórdico”), uma das propostas metodológicas mais usadas, com o treinamento de sprint (grupo “sprint”) (anexamos o programa de treinamento de sprints na Tabela 1).9

Tabela 1. Conteúdos para o treinamento de um sprint.9

Os resultados demonstraram que o grupo “sprint” conseguiu melhorias do pequeno ao grande em variáveis sobre o desempenho de um sprint (força, potência, valor médio máximo de força), com a excepção da velocidade máxima (Figura 1). Em contrapartida, foram observadas alterações negativas ou comuns no grupo “nórdico” ou no grupo “futebol” (seguiram treinando normalmente). Em relação à arquitetura da porção longa do bíceps, o grupo “sprint” aumentou substancialmente a largura (grupo “sprint” 16% vs grupo “nórdico” 7%) (Figuras 1 e 2).

Figura 1. Escopo das alterações pré e pós rendimento durante um sprint. v0: velocidade máxima; F0 = força máxima; Pmax = potência máxima; RFmax = máximo valor médio de força; 5 m: tempo de um sprint em 5 m; 20 m: tempo de um sprint em 20 m.9
O alcance das alterações pré e pós nas principais variáveis arquitetônicas da musculatura dos isquiotibiais. FL-2L: tamanho da fáscia média para as duas pernas; PA-2L: ângulo de penetração média para as duas pernas; Espessura BLFh 2I: espessura média das duas pernas da cabeça longa do bíceps femural.9

É importante destacar que os atletas de futebol com cabeças de bíceps femoral mais curtas (<10,56 cm na média) possuem até quatro vezes mais risco de se lesionarem por distensões dos isquiotibiais que os atletas com fáscia mais longa.10 Assim, para cada 0,5 cm no aumento da largura, diminui ~74% os riscos de lesões. Por isso, vemos e podemos ler no artigo de Mendiguchia e colaboradores,9 o grupo “nórdico” aumentou uma ~de 0,7 cm, enquanto que o grupo do sprint uma ~de 1,6 cm. Desta forma, presumimos que um programa de treinamento integral com sprint reduziria, de forma expressiva, os riscos de lesões nos isquiotibiais.

Por outro lado, vemos e podemos ler no estudo que foi disponibilizado para avaliações de perfil força, velocidade e potência durante uma temporada em uma equipe da primeira divisão espanhola11 a força e a potência máxima alcançam seus valores ideais durante a metade da temporada, mas diminuíram na parte final. Assim, um programa com sprint poderia ser eficaz para diminuir a que foi observada durante uma temporada.

Conclusão

Para resumir, Pascal Edouard e colaboradores sugerem que “os atletas e técnicos devem levar em consideração que o sprint é como um processo de imunização”. Ou seja, se exporem ao “veneno” (neste caso ações com alta intensidade) aos poucos com o objetivo de aumentar a proteção antes de um estímulo mais agressivo.4 Por isso, o sprint, distante de ser parte do problema é parte da solução proposta. Em base a tudo o que foi exposto, o planejamento e a implementação cautelosa dos treinamentos com sprint em alta velocidade para determinados momentos deveria ser parte do programa integral de um atleta que tenha como objetivo o aumento do desempenho e atenuar os riscos de lesões.

 

 

 

 

Adrián Castillo

 

 

 

 

Referências:

  1. Faude, O., Koch, T. & Meyer, T. Straight sprinting is the most frequent action in goal situations in professional football. J. Sports Sci. 30, 625–631 (2012).
  2. Ekstrand, J., Waldén, M. & Hägglund, M. Hamstring injuries have increased by 4% annually in men’s professional football, since 2001: a 13-year longitudinal analysis of the UEFA Elite Club injury study. Br. J. Sports Med. 50, 731–737 (2016).
  3. Arnason, A., Andersen, T. E., Holme, I., Engebretsen, L. & Bahr, R. Prevention of hamstring strains in elite soccer: an intervention study. Scand. J. Med. Sci. Sports 18, 40–48 (2008).
  4. Edouard, P. et al. Sprinting: a potential vaccine for hamstring injury. Sport Perform Sci Reports 1, 1–2 (2019).
  5. Guex, K. & Millet, G. P. Conceptual framework for strengthening exercises to prevent hamstring strains. Sports Med. 43, 1207–1215 (2013).
  6. van den Tillaar, R., Solheim, J. A. B. & Bencke, J. Comparison of hamstring muscle activation during high-speed running and various hamstring strengthening exercises. Int. J. Sports Phys. Ther. 12, 718 (2017).
  7. Malone, S., Roe, M., Doran, D. A., Gabbett, T. J. & Collins, K. High chronic training loads and exposure to bouts of maximal velocity running reduce injury risk in elite Gaelic football. J. Sci. Med. Sport 20, 250–254 (2017).
  8. McCall, A. et al. Exercise-Based Strategies to Prevent Muscle Injury in Male Elite Footballers: An Expert-Led Delphi Survey of 21 Practitioners Belonging to 18 Teams from the Big-5 European Leagues. Sport. Med. 50, 1667–1681 (2020).
  9. Mendiguchia, J. et al. Sprint versus isolated eccentric training: Comparative effects on hamstring architecture and performance in soccer players. PLoS One 15, e0228283 (2020).
  10. Timmins, R. G. et al. Short biceps femoris fascicles and eccentric knee flexor weakness increase the risk of hamstring injury in elite football (soccer): a prospective cohort study. Br. J. Sports Med. 50, 1524 LP – 1535 (2016).
  11. Jiménez-Reyes, P. et al. Seasonal Changes in the Sprint Acceleration Force-Velocity Profile of Elite Male Soccer Players. J. Strength Cond. Res. (2020).

NOTAS RELACIONADAS

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

NOVOS DADOS COMO AS EXIGÊNCIAS FÍSICAS DOS FUTEBOLISTAS VARIAM CONSOANTE A SUA POSIÇÃO

Muitos dos inúmeros estudos a esse respeito, contudo, analisam essas exigências tendo apenas em conta algumas variáveis ou empregando janelas de tempo muito alargadas. Um novo estudo realizado por preparadores físicos do F.C. Barcelona analisou vários desses dados com mais precisão.

O QUE É REALMENTE A GESTÃO DA CARGA?

Neste artigo, Tim Gabbett e a sua equipa fornecem um guia convivial para os profissionais, ao descrever o objetivo geral da gestão de carga aos treinadores.

DUAS SEMANAS SÃO SUFICIENTES PARA AUMENTAR O VOLUME E A FORÇA MUSCULAR

Pela primeira vez se prova que não são necessários meses de treino, apenas duas semanas de exercícios adequados são o suficiente para melhorar significativamente o volume e a força muscular.

EXERCÍCIOS EXCÊNTRICOS: ESTUDAR “VACINAS” PARA OS MÚSCULOS

É importante treinar com exercícios do tipo excéntrico para prevenir possíveis danos. No entanto, o treino intensivo também pode causar alguns danos a nível muscular, que devem ser monitorizados para minimizar o risco de lesão.

O NÍVEL DE RESISTÊNCIA COMO MODERADOR DA CARGA DE TREINO

A resistência cardiovascular surgiu como moderador do resultado da carga a que se sujeita o desportista.

Estão os jogadores bem perfilados em relação à bola?

Através da visão por computador, podemos identificar alguns défices em relação à orientação corporal dos jogadores em diferentes situações de jogo.

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.