11 June, 2019

O PRIMEIRO ESTÁDIO QUE TRANSFORMOU O FUTEBOL EM ELETRICIDADE

Social Impact
Instalações Inteligentes
Instalações Inteligentes
160K

Um dos maiores desafios nas favelas brasileiras, é fazer com que seus filhos e jovens permaneçam na escola.  A educação é uma conquista essencial se você quiser melhorar as duras condições de vida em que se desenvolvem. Isso é explicado por Pedro Paulo Ferreira, presidente da associação de moradores do Morro da Mineira, uma das muitas favelas que cercam o Rio de Janeiro. Mas o treinamento não é a única coisa, ele adverte, e quase igualmente importante é que as crianças tenham espaços na vizinhança onde podem passar seu tempo de lazer sem cair no crime.  Especialmente os estádios de futebol, porque esse é o esporte rei brasileiro, que é jogado todo o tempo, em todos os lugares.

 

No Morro da Mineira era impossível jogá-lo. O estádio antigo não tinha terreno adequado e o deck das arquibancadas estava perfurado por buracos de balas. Quando foi restaurado, foi feito de uma maneira completamente nova.  “Na minha vida eu tinha ouvido falar de energia cinética”, declara Ferreira. E essa foi a chave.

 

Porque não só ele, mas todos os alunos das escolas da favela, participaram ativamente da reabilitação do campo. Conceitos de aprendizagem, como fontes alternativas de energia, energia cinética e engenharia aplicada. O engenheiro britânico Laurence Kemball-Cook é o promotor dessa ideia revolucionária, de que jogar futebol pode produzir eletricidade e ele estava encarregado de ensiná-los. Reunindo-os, primeiro no campo antigo, pediu-lhes que saltassem em grupos, saltando de pé, em cima de uma instalação do seu pavimento cinético.  Meninos e meninas saltavam como em um jogo, que estava se tornando mais dinâmico, até que no final eles gritavam, divertidos, ha, ha, ha, ha!  Então o milagre aconteceu. A lâmpada que Laurence levava em suas mãos se iluminou.

 

Este ato mágico foi seguido de um processo de formação nas escolas, onde os professores explicaram a eles porque o nosso movimento ao andar gera uma força motriz. E como essa força pode ser transformada em energia através de uma instalação de engenharia adequada.

 

Especificamente, através da Pavegen, o pavimento inventado por Kemball-Cook. Consiste em uma série de painéis de borracha de pneus reciclados, que são deformados sob o peso do pé de cada pessoa que pisa. Essa pressão é transmitida a cristais de quartzo e bobinas de cobre que, por indução, podem gerar eletricidade suficiente para iluminar uma rua por 30 segundos com um único passo. As corridas de vinte e dois jogadores que lutam por uma partida podem muito mais.

 

E é isso que atualmente desfrutam no estádio Morro da Mineira, graças a duzentas placas sob o gramado artificial, que transformam os degraus dos jogadores em energia elétrica.  Usando painéis solares complementares e uma bateria, o campo pode permanecer aceso por 10 horas seguidas com painéis de LED, mesmo que não haja nenhum jogador no campo.  Embora isso não seja frequente. Ter luz nos espaços públicos é um milagre na favela, assim como a escuridão é um dos seus maiores perigos, especialmente para crianças e adolescentes. É por isso que todas as noites, famílias, jovens e treinadores chegam a usar as instalações, sempre cheias de vida e futebol.

 

A instalação foi realizada em 2014 e, desde então, todo o espaço ao redor do campo foi convertido em um ponto de encontro da vizinhança. Pequenos comércios de alimentos surgiram no calor das reuniões e alimentam os que participam dos jogos. As equipes de crianças e jovens também desenvolveram um sentimento de orgulho associado à sua favela, o que os incentiva a participar do treinamento pontualmente. Para André Rodrigues, um dos treinadores, o sistema “possibilitou descobrir para os habitantes da favela, que existem formas limpas, livres e seguras de produzir energia. Um conceito tão amplamente assumido nos países desenvolvidos e que é muito novo em lugares como este.”

 

Mas o que aconteceria no caso da instalação de uma tecnologia como essa, nos estádios e instalações esportivas de um grande clube como o Barça. Os cálculos de energia gerados pela combinação do Camp Nou e dos campos de treinamento acrescentariam, em um ano, o equivalente a três meses de consumo em um único domicílio. Não é muito, mas se além disso fosse instalado nas zonas de maior trânsito, por onde o público acessa o estádio, reduziria o custo de iluminação das instalações. Seu problema, por enquanto, é o alto custo de instalação, calculado em 11 milhões de euros apenas para o estádio principal.

 

A empresa espera reduzir custos no futuro, e o clube, em sua vocação de incorporar novas tecnologias ao mundo dos esportes, acompanha sua evolução com interesse. Enquanto isso, Laurence Kemball-Cook continua levando sua ideia de aproveitar a energia cinética do futebol para todos os cantos do mundo. Um projeto semelhante ao da favela do Rio foi instalado em Johannesburgo, na África do Sul, em um bairro onde a necessidade de iluminação noturna era igualmente fundamental. E a paixão pelo futebol pode gerar muita energia.

 

A equipe Barça Innovation Hub

NOTAS RELACIONADAS

VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Empreendimento

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.