BIHUB PATH

March 18, 2022

Futebol

O desenvolvimento do futebol feminino. A importância de agir para reduzir a diferença de gênero.

By Carlos Lago Peñas.

O futebol feminino conseguiu nos últimos anos atrair o interesse dos torcedores e da mídia de forma extraordinária. A Copa do Mundo da FIFA França 2019 registrou recorde de audiência: 1,12 bilhão de espectadores conectados à competição por meio das diferentes plataformas. Este foi um aumento de 30% em relação aos 764 milhões do Canadá 2015. A final entre os Estados Unidos e a Holanda foi a partida mais assistida na história da Copa do Mundo Feminina, com uma audiência ao vivo de 82,18 milhões, 56% a mais do que os 52,56 milhões do Canadá 2015 O minuto de ouro foi assistido por 263,62 milhões de espectadores, 22,9% de todo o torneio.1 

Nas palavras de Gianni Infantino, Presidente da FIFA, a Copa do Mundo Feminina da FIFA 2019 “foi um fenômeno cultural que atraiu a atenção da mídia como nunca antes e forneceu uma plataforma de destaque que permitiu o desenvolvimento do futebol feminino. O fato de a meta de 1 bilhão ter sido ultrapassada é um bom exemplo da decolagem do futebol feminino e que, se você promove e transmite futebol de primeira categoria de nível mundial, não importa se é masculino ou feminino, os torcedores vão assistir”.2

 

Apesar destes números extraordinários, o futebol feminino não tem tanta exposição como o futebol masculino e a sua repercussão e interesse ainda está longe do masculino.

 

O que pode ser feito para reduzir a diferença de gênero no futebol entre homens e mulheres?

 

A questão é muito relevante porque sabemos que o investimento no esporte de alto rendimento e seus eventos acaba influenciando os hábitos dos inativos, levando-os a começar a praticar um esporte. Além disso, o enorme impacto do futebol pode contribuir de forma muito relevante para eliminar a desigualdade de gênero na sociedade.

 

A evidência científica sugere três argumentos para explicar por que as mulheres jogam mais ou menos futebol e por que há uma maior ou menor diferença de gênero em relação aos homens.

 

  • A primeira é econômica.3-5 O desenvolvimento econômico afeta a disparidade de gênero no futebol de diferentes maneiras entre os diferentes países. Um Produto Interno Bruto per capita mais elevado é convertido em melhores infraestruturas esportivas e organizacionais, melhor acesso a equipamentos e maior disponibilidade de tempo livre para o esporte feminino.

  • O segundo argumento tem a ver com a igualdade de gênero. 6.7 Os países onde as mulheres têm oportunidades iguais na sociedade são mais propensos a investir em esportes femininos. A consequência óbvia é o aumento do número de mulheres que jogam futebol e a melhoria do seu nível desportivo.

  • O terceiro argumento é político. 7-9 A disparidade de gênero entre o futebol feminino e masculino está também condicionada pela proposta de políticas deliberadamente concebidas para promover o futebol feminino. A promoção do futebol feminino passa por estratégias específicas dentro e fora do campo para aumentar o nível geral de interesse e conhecimento do jogo, incluindo a participação, a cobertura mediática e a ocupação de posições de liderança nas diversas organizações e instituições esportivas. Embora na maioria dos países o futebol masculino seja mais popular do que o feminino, na medida em que os países apoiam o futebol feminino, isso pode aumentar a visibilidade do futebol feminino e reduzir a diferença de popularidade.

Uma pesquisa recente10 analisou o quanto cada um desses três fatores é importante para explicar a diferença no desempenho das seleções nacionais masculinas e femininas em cada país. A questão é esta: por que o time masculino de um país tem sucessos internacionais e o time feminino não? Para isso, analisaram a diferença no Ranking FIFA das seleções masculinas e femininas em 116 países durante os anos de 2003 a 2019. Os resultados são bastante sugestivos. As seleções nacionais femininas apresentam melhor desempenho em torneios internacionais quando são implementadas políticas destinadas a promover o futebol feminino no país. Porém, o argumento econômico parece menos relevante. Em última anãlise o futebol feminino não é um subproduto do futebol masculino. Nos países onde o futebol feminino é promovido ativamente, as seleções nacionais de futebol feminino são melhores.

 

As recomendações para reduzir a disparidade de gênero entre homens e mulheres apontam para a necessidade de eliminar a desigualdade de gênero promovendo o futebol feminino em particular. Os dirigentes esportivos devem propor ações como aumentar o número de mulheres nos órgãos que controlam o desenvolvimento do futebol, desenvolver programas específicos de promoção do futebol feminino e ter planos estratégicos de intervenção no desenvolvimento do futebol feminino.

Em conclusão, o recente desenvolvimento do futebol feminino deve nos levar a entender que ações devem ser tomadas para reduzir a diferença de gênero com os homens. Não podemos esperar.

 

Referências:

  1. https://digitalhub.fifa.com/m/5fd80f719fbff8e4/original/rvgxekduqpeo1ptbgcng-pdf.pdf
  2. https://www.fifa.com/es/tournaments/womens/womensworldcup/france2019/news/mas-de-mil-millones-de-espectadores-vieron-la-copa-mundial-femenina-de-la-fifatm
  3. Hoffmann R, Chew Ging L, Matheson V, et al. (2006) International women’s football and gender inequality. Applied Economics Letters 13(15): 999–1001.
  4. Jayachandran S (2015) The roots of gender inequality in developing countries. Annual Review of Political Science 7: 63–88.
  5. Torgler B (2008) The determinants of women’s international soccer performances. International Journal of Management and Marketing 3(4): 305–318.
  6. Mosedale S (2005) Assessing women’s empowerment towards a conceptual framework. Journal of International Development 17: 243–257.
  7. Valenti M, Scelles N and Morrow S (2020) Elite sports and international sporting success: A panel data analysis of European women’s national football team performance. European Sport Management Quarterly 20(3): 300–320.
  8. De Bosscher V, De Knop P, van Bottenburg M, et al. (2006) A conceptual framework for analysing sports policy factors leading to international sporting success. European Sport Management Quarterly 6(2): 185–21.
  9. Williams J (2003) A Game For Rough Girls: A History of Women’s Football in England. A History of Women’s Football in Britain. New York: Routledge.
  10. Lago I, Lago-Peñas C and Lago-Peñas S. (2022) Waiting or Acting? The Gender Gap in International Football Success. International Journal for the Sociology of Sport. Ahead of print.

 

KNOW MORE

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.