Mestrado Profissional em Futebol

Organizado por:

O objetivo desde programa é treinar um profissional capaz de interpretar a formação de um ponto de vista sistêmico, contemplando todos os aspectos que influenciam a otimização de desempenho e treinamento da equipe-jogador no âmbito desta mudança de paradigma, indo desde a fundação até o jogo e a metodologia para a complexidade, promovendo uma troca com o jogador consistente com os princípios da teoria dos sistemas dinâmicos.

Icon 01

DATA DE INÍCIO

Outubro 2019

Icon 02

DATA DE CONCLUSÃO

Junho 2021

Icon 03

DURAÇÃO

2 anos

Icon 04

IDIOMA

English

Icon 06

LOCAL

Instalações do F.C. Barcelona e no INEFC de Barcelona

Icon 07

CRÉDITOS

60 ECTS

Icon 08

PREÇO

€10.470

Icon 05

FORMATO

On campus

DESTINADO A

O Mestrado Profissional em Futebol está dirigido a treinadores, preparadores físicos, membros de corpos técnicos e profissionais do mundo do futebol, que queiram formar-se no treinamento sistêmico do futebol e na melhoria do rendimento a partir desta ótica, tendo como eixo central o jogo da equipe e considerando e integrando todos os demais aspectos que influem no rendimento.

PROGRAMA CURRICULAR

Este módulo tem como objetivo descrever a ideia de jogo e justificar todos os componentes considerados para realizar uma metodologia de trabalho tão bem-sucedida nos últimos anos como tem sido a do FC Barcelona. O formato do desenvolvimento dos conteúdos permitirá que o aluno conheça não só os conceitos mais relevantes para desenvolver a ideia de jogo, mas também as tarefas que facilitam sua assimilação.

 

1. Justificativa do “jogo” do FC Barcelona
1.1. O que é “Nosso Jogo”?
– Origem e primeiras manifestações
– Fundamentos atuais do jogo
– A contribuição da complexidade no desenvolvimento do jogo
– Diferenças com o futebol tradicional
– Descrição e justificativa de uma nova terminologia para entender o jogo

Carga horária: 4 horas

2. Componentes estruturais do “nosso jogo”
– Descrição e aplicação dos “espaços de fase” como estruturas complexas
– Desenvolvimento dos componentes semânticos – espaciais
– A evolução e integração E-T
– Conceitualização e aplicação da organização e auto-organização

3. Meios específicos para a otimização do jogo
– A sessão de treinamento como meio para a otimização do jogo
– Descrição e justificativa dos diferentes momentos da sessão
– A importância da introdução dos valores na sessão e nas partidas

Carga horária: 24 horas

4. Avaliação do controle e do processo de treinamento
– Descrição da “ficha” do jogador: sua validade para a sessão e para a partida
– Critérios de observação do treinador durante a sessão e a partida

Carga horária: 2 horas

Neste módulo, trataremos do papel do guia pedagógico na formação específica dos jogadores nas primeiras etapas formativas, diferenciando os modelos de ensino dos de aprendizagem. Também entraremos em contato com a necessidade de tratar tais modelos como guias de otimização das competências do jogador, no marco de uma ideia de jogo de situação, desde um ponto de vista sistêmico/holístico. Diferenciaremos as competências facilitadoras/preferenciais dos comportamentos naturalizados veiculando ou estimulando a emergência destes últimos, tudo a partir de um prisma que favoreça a aplicabilidade desta proposta metodológica e pedagógica através do jogo e da tarefa base.

 

 

1. Modelo de competência de ensino. O que ensinamos? O que aprendemos?
– Diferença entre modelo de ensino/modelo de aprendizagem
– Conceito modelo/guia de otimização
– Estruturação da ideia própria de jogo

Carga horária: 8 horas

2. Coerência na periodização e sequenciação dos conteúdos baseada no princípio de individualização. Quando ensinamos? Quando aprendemos? Como organizamos?
– Periodização
– Temporização (princípios de individualização)
– Padrão de sessão
– Ferramentas para a preferência na temporalização
– Objetivos integrais de aprendizagem, indicadores de otimização e seu acompanhamento
– Estratificação de conteúdos em função do amadurecimento cognitivo do jogador (conhecimento da lógica interna do jogo)
– Ferramentas de acompanhamento da aplicação do modelo de competência

Carga horária: 8 horas

3. Intervenção pedagógica do técnico-formador. Como ensinamos? Como aprendemos? Relatório de acompanhamento 360 (Av. pedagógica inicial/contínua dos comportamentos de forma holística)
– Estratégias procedimentais
– Estratégias didáticas
– Experiências de aprendizagem cooperativa e pedagogia ativa
– Seleção do perfil do formador
– Análise da intervenção pedagógica do técnico (análise qualitativo dos enunciados e das pautas de reflexão)
– Perfil de potencialidade
– Relatório videográfico das competências facilitadoras e naturalizadas
– Ações de emergência preferencial e zonas de ocupação preferencial

Carga horária: 10 horas

4. Tratamento da estrutura coordenativa. Como contextualizamos a ação motora?
– Concepção integral da estrutura coordenativa
– Ações coordenativas facilitadoras
– Cadeias coordenativas
– Aplicação didática do continuum da ação motora

Carga horária: 6 horas

5. Tratamento da estrutura cognitiva. Como decidimos?
– Influência cognitiva das obrigações
– Experiências de trabalho emocional (relação entre SPD e emoções)
– Estratégias de otimização do comportamento autônomo do jogador (autogestão)
– Otimização do sistema de tomada de decisões a partir do desenvolvimento de ferramentas coletivas de comunicação e relação. A relação e a comunicação dentro da equipe
– Os valores no treinamento
– Identificação de comportamentos coletivos com base nos estímulos e eventos do jogo
– Situações do jogo (relação com a estrutura coordenativa)

Carga horária: 12 horas

Neste módulo partimos da premissa de que o jogo de futebol precisa da construção de estruturas coletivas organizativas (organização coletiva), que servem de suporte de pretensões, ideias ou objetivos que o treinador se propõe como forma de jogar (modelo ou ideia de jogo). Estas ideias que definem e dão forma ao modelo recebem o nome de conceitos ou meios grupais de jogo e são as unidades que permitem obter superioridades de qualquer tipo. Considerando isto, os objetivos deste módulo serão o estudo e a compreensão do jogo, observando os padrões coletivos de organização. Ao mesmo tempo, faremos a proposta de estudar, observar e analisar os principais comportamentos coletivos de equipes de alto desempenho a partir da estrutura organizativa e da interação e inter-relação dos jogadores no surgimento de diferentes padrões.

As equipes sustentam-se em 3 pilares que lhes possibilitam ter uma identidade definida. Chamamos esta identidade de estrutura e os mencionados suportes são os seguintes:
– Organização coletiva – posicionamento coletivo. Como ocupamos os espaços coletivamente.
– Interações e movimentos. Sinais de identidade expressados pelas características dos jogadores, que o treinador ordena e dá coerência sob uma determinada ideia futebolística que permite que a equipe seja reconhecível e tenha uma só ideia de jogo.
– Conceitos e fundamentos básicos de jogo. Entendendo que estes são universais e que permitem criar, identificar e aproveitar as superioridades.

 

1. A estrutura coletiva da organização
1.1. Estrutura organizativa
– O que são estruturas?
– Identidade e jogo. O caminho na construção de modelos coletivos para otimizar o desempenho
– Definição de estrutura e partes vivas das estruturas: O que é organização? O que é funcionalidade ou funcionamento?
– Diferenciação entre estruturas associativas e verticais

Carga horária: 4 horas

1.2. Estruturas construídas para o jogo de posição
– O que é jogo de posição?
– Descrição e aplicação dos conceitos do jogo de posição
– Traços característicos das estruturas associativas nos diferentes momentos do jogo
– Propostas de situações de treinamento para o desenvolvimento desses traços
– Observação dos conceitos do jogo de posição em equipes de alto desempenho
– Proposta aplicada de como programar e periodizar os conceitos descritos do jogo

Carga horária: 6 horas

1.3. Estruturas construídas diante de equipes que exercem alta pressão
– Descrição e aplicação dos conceitos do jogo vertical
– Quais são os traços característicos das estruturas verticais nos diferentes momentos do jogo?
– Propostas de situações de treinamento para o desenvolvimento desses traços
– Observação dos conceitos do jogo vertical em equipes de alto desempenho
– Proposta aplicada de como programar e periodizar os conceitos do jogo descritos

Carga horária: 4 horas

2. Funcionalidade
2.1. Conceitos no jogo de posição e seu treinamento
– As fixações com bola
– As fixações sem bola
– Terceiro Homem
– Detecção, identificação e resolução de superioridades no jogo
– Propostas de situações de treinamento para o desenvolvimento destes conceitos

Carga horária: 3 horas

2.2. A saída de bola
– Características do jogo na saída de bola
– Descrição e análise dos diferentes tipos de saída de bola
– Propostas de situações de treinamento para o desenvolvimento da saída de bola

Carga horária: 2 horas

2.3. Organização da fase de recuperação
– Pressing: princípios de comportamento tático
– Pressing de ataque
– Pressing de meio-campo
– As situações reduzidas e sua aplicação no desenvolvimento dos fundamentos zonais
– Situações simuladoras preferenciais

Carga horária: 4 horas

2.4. Os movimentos compensatórios
– Dar mais ataque ao ataque. Compensar como forma indispensável de estar equilibrado
– O jogo como um todo: estudar como fico disposto diante das eventuais perdas de bola em função do tipo de ataque
– Conceitos de jogo compensatórios
– Situações simuladoras preferenciais

Carga horária: 3 horas

3. Contextualização da tática grupal: papéis funcionais e fundamentos de jogo
3.1. Papéis funcionais em fase de posse e seu treinamento
– Primeiro, segundo, terceiro atacante
– Proposta metodológica de sua aplicação

Carga horária: 4 horas

3.2. Papéis funcionais em fase de recuperação
– Primeiro, segundo, terceiro atacante
– Proposta metodológica de sua aplicação

Carga horária: 4 horas

3.3. Superioridade posicional e adoção de posições intermediárias
– Descrição e observação dos meios grupais sem bola
– Proposta metodológica de sua aplicação

Carga horária: 4 horas

4. Exemplos de modelos de desempenho e treinamento em equipes profissionais
– Aplicação externa do modelo FCB

Carga horária: 6 horas

O presente módulo tem como objetivo dotar o aluno das competências necessárias para entender o jogo a partir da perspectiva das ciências da complexidade. Será examinada a necessidade de um novo enfoque que lhes permita analisar o jogo a partir da escala individual à coletiva, atendendo às evidências científicas mais recentes neste campo.

 

1. Introdução
1.1. Por que é necessário um enfoque do futebol a partir das ciências da complexidade?
– Pressupostos das metodologias existentes
– Desafios das ciências da complexidade aplicadas ao futebol:

Carga horária: 3 horas

1.2. A complexidade
– O que é complexidade? O que são sistemas complexos?

Carga horária: 2 horas

2. Aplicações ao futebol
2.1. A teoria dos sistemas dinâmicos. Conceitos básicos e sua aplicação ao futebol
– O que são características emergentes?
– O que são graus de liberdade de um sistema?
– A que se denomina sistema dinâmico?
– O que são parâmetros de ordem?
– O que é espaço de fases?
– O que são atratores de um sistema?
– Que tipos de constrangimentos afetam o comportamento do sistema?
– A que se refere o conceito de auto-organização?
– O que é comportamento crítico?
– Como se relacionam variabilidade e estabilidade?
– O que significam “critical slowing down” e tempo de relaxamento?
– O que significa histerese?
– O que são intermitência e metaestabilidade?
– Como atua a distribuição dos atratores de um sistema em um processo de aprendizagem?

Carga horária: 4 horas

2.2. A interação do jogador com o jogo
– O ciclo de percepção-ação
– As oportunidades de ação
– Da escala individual à escala coletiva: a equipe como sistema complexo

Carga horária: 3 horas

2.3. Aplicações na motricidade humana
– Marco teórico geral sobre a coordenação
– A não linearidade e a psicologia ecológica para o estudo da motricidade no futebol
– A não linearidade na aprendizagem motora e a aquisição de habilidades no futebol
– A aquisição de habilidades no futebol mediante a modificação das obrigações

Carga horária: 2 horas

2.4. Integração psicobiológica dinâmica durante o esforço
– A fadiga induzida pelo exercício

Carga horária: 2 horas

O presente módulo tem como objetivo dotar o aluno das competências necessárias para a construção do processo de treinamento, atendendo às necessidades condicionais da equipe em função do modelo de jogo e facilitando a otimização da estrutura condicional do jugador. Tudo isto será realizado a partir de uma justificativa baseada na aplicação das propostas e dos conhecimentos científicos emergentes.

 

1. Modelo de planejamento no futebol: de onde viemos e aonde vamos
– Modelos teóricos organizativos baseados nas necessidades do jogo e do jogador

Carga horária: 1 hora

2. O treinamento condicional no FC Barcelona a partir de uma perspectiva holística
– Bases da teoria dos sistemas dinâmicos complexos orientados à preparação física
– O que é treinamento estruturado?
– O treinamento otimizador dentro do treinamento estruturado
– O treinamento coadjuvante dentro do treinamento estruturado
– Necessidades condicionais da equipe em função do modelo de jogo

Carga horária: 2 horas

3. Desenho do microciclo estruturado
– O que é microciclo estruturado?
– Fases do microciclo estruturado
– Restauração, implantação, otimização, ativação e competição
– Organização semanal dos conteúdos do treinamento
– Intercomunicação das sessões com base no dia da partida

Carla horária: 3 horas

4. Situações simuladoras preferenciais (SSP)
– O que são SSP e como as entendemos desde um ponto de vista condicional?
– Variáveis que afetam a exigência das SSP
– Construção de SSP baseadas nas necessidades propostas pelo treinador
– Elaboração de tarefas orientadas à coordenação jogador, jogadores ou equipe

Carga horária: 4 horas

5. As SSP dentro do microciclo estruturado
– Como as SSP se organizam dentro de uma sessão?
– Distribuição das SSP nas diferentes fases do microciclo estruturado

Carga horária: 2 horas

6. Avaliação e controle da carga no treinamento otimizador e a competição
– Propostas que atendem a variáveis físicas
– Opções de avaliação da carga baseadas na especificidade e dimensão tática

Carga horária: 2 horas

7. O treinamento coadjuvante
– Coadjuvante estrutural
– De adaptação anatômica
– De adaptação hipertrófica
– Metabólico
– Coadjuvante de qualidades específicas
– De deslocamento
– De salto
– De luta
– De ações com mobilidade
– Coadjuvante de prevenção
– De prevenção primária ou grupal
– De prevenção secundária ou individual
– Coadjuvante de restauração

Carga horária: 2 horas

Neste último módulo, o mestrado dará uma visão atualizada de duas temáticas imprescindíveis no futebol moderno. Em primeiro lugar, um dos objetivos será mostrar ao aluno vivências reais com relação à gestão de um vestuário e a todos os integrantes que o constituem. Sem dúvida, cada vez mais somos mais conscientes da influência de todos os aspectos que não são propriamente do jogo, mas que têm uma grande repercussão para gerar uma boa dinâmica de equipe. Pensamos que a capacidade de transmitir, decidir e gerar empatia como responsável por um grupo nas distintas situações que podem ser geradas em uma equipe, compõe um conjunto de tópicos imprescindíveis para o estudante deste mestrado.

Em segundo lugar e, considerando que cada vez têm mais peso específico os departamentos de scouting e análise das equipes profissionais, a direção do Mestrado considera necessário, para a formação do aluno, mostrar os recursos mais atualizados de otimização do rendimento dos jogadores e, ao mesmo tempo, ajudar o corpo técnico a tomar as decisões de uma maneira correta.

 

1. Otimização da fase de atenção
– Otimização pós-treino
– Últimas considerações
– Otimização pré-partida
– Reuniões (palestras) táticas (team meetings)

Carga horária: 2 horas

2. Otimização da fase de rendimento
– Otimização da primeira parte
– Direção da parte intermediária

Carga horária: 2 horas

3. Avaliação da partida
– Etapa pós-partida
– Etapa pré-treino

Carga horária: 2 horas

4. O treinamento como um modelo de comportamento
– Qualidades e tarefas do diretor de equipes
– O treinador, princípios e valores
– Estilos e modelos para a gestão de todos os integrantes de uma equipe

Carga horária: 2 horas

5. Resolução de problemas nos grupos humanos
– Grupos humanos esportivos
– Grupos humanos não esportivos

Carga horária: 2 horas

6. O treinador como um comunicador
– Modelos de comunicação do treinador
– Orientações na comunicação

Carga horária: 2 horas

7. A análise tática e scouting desde um ponto de vista profissional
– Características da metodologia observacional
– As novas tecnologias aplicadas ao futebol
– Interpretação de dados e análise

Carga horária: 3 horas

8. Scouting na secretaria técnica
– Aplicação de análise de jogo
– Definição de estratégia operacional posterior à análise própria do rival

Carga horária: 3 horas

(2 sessões seguidas. Final de temporada. Avaliação).

 

Atividade 1 (Avaliação de cada módulo)

Ao finalizar cada um dos módulos, além do bloco de apostilas correspondentes de cada uma das disciplinas, o aluno receberá um conjunto de artigos, textos, vídeos explicativos que reforçarão os conteúdos expostos na aula e no campo. Uma primeira atividade de avaliação consistirá na elaboração de casos práticos de cada módulo, expostos a partir do coordenador do módulo, utilizando a informação entregue.

 

Atividade 2 (Avaliação final)

A avaliação final será composta por três atividades baseadas na resolução de situações reais de alto rendimento. Essas atividades serão realizadas durante duas jornadas seguidas no mês de junho de 2019 e serão as seguintes:

 

1. A primeira atividade será realizada na manhã do primeiro dia de avaliação, e consistirá em observar um jogo de futebol e, posteriormente, realizar um relatório completo no qual sejam identificados os pontos fortes e fracos dos dois times, considerando os conhecimentos ministrados no mestrado.

 

2. A segunda atividade será realizada na tarde do primeiro dia de avaliação e consistirá em construir um microciclo baseado em um dos times observados, considerando todos os parâmetros explicados no mestrado. Dentro deste microciclo, o aluno deverá aprofundar-se na construção de duas tarefas. Uma delas servirá para a melhoria do jogo observado e a outra, para a preparação do jogo do seguinte final de semana, considerando que o aluno observará 45 minutos do suposto adversário.

 

3. A terceira atividade será realizada durante todo o dia do segundo dia de avaliação. Serão formados grupos de cinco alunos, que terão papéis específicos dentro de um staff técnico e deverão preparar conjuntamente a conversa pré-jogo. A organização passará um vídeo de 45 minutos do time a ser dirigido e um vídeo de 45 minutos do time rival teórico. Com base nos papéis atribuídos, o grupo deverá trabalhar durante toda a manhã para preparar uma apresentação de 15 minutos que deverá ser realizada à tarde diante dos avaliadores.

 

Para todas as atividades da avaliação final, os alunos poderão dispor das apostilas e de todo o material prévio que considerarem oportuno como, por exemplo, trazer desenvolvido um modelo de relatório que lhes permita resolver melhor a atividade de avaliação 1.