10 October, 2018

O QUE É REALMENTE A GESTÃO DA CARGA?

Rendimento Desportivo
160K

 

Digam-me só o que preciso saber!

Qualquer um que tenha trabalhado com treinadores desportivos sabe que eles têm exigências competitivas. Não precisam apenas elaborar uma estratégia geral para a equipa executar, como também precisam de entrar em contato com os administradores (ex.: o presidente e o conselho), patrocinadores e meios sociais, gerir escalas, assistentes técnicos e atletas individuais (e as suas personalidades únicas), e desempenham um papel fundamental no planeamento diário de sessões técnicas, táticas (e por vezes) de força e condicionamento. Não há dúvida que é importante que os treinadores entendam os princípios de gestão de carga, mas falta-lhes tempo! Com todos os recursos de monitorização e gestão de carga de trabalho dos atletas disponíveis, não é surpreendente quando os treinadores exclamam“Digam-me só o que preciso saber!” Este artigo fornece um guia convivial para os profissionais, ao descrever o objetivo geral da gestão de carga aos treinadores.

 

1) Construção de Cargas Crónicas

A lesão ocorre quando a carga excede a capacidade do tecido de se adaptar (ou seja, quando a carga é maior do que a capacidade de carga). Consequentemente, acreditou-se, durante muitos anos, que as lesões ocorreriam como resultado de elevadas cargas de treino. No entanto, um grande número de estudos mostrou recentemente que cargas crónicas elevadas estão associadas a um menor risco de lesão (1). Estes resultados foram confirmados por vários grupos desportivos e de investigação. Igualmente interessante é a influência da elevada carga crónica no desempenho. Em meados dos anos 90, Foster et al. (2) estudou o desempenho de corredores, ciclistas e patinadores de velocidade e demonstrou que o desempenho estava claramente ligado à carga de treino; atletas com cargas de treino mais elevadas tiveram desempenhos mais rápidos em provas contra-relógio. O desempenho desportivo em equipa também pode ser explicado, pelo menos em parte, pela carga de treino (3, 4). Parece que cargas de treino crónicas apropriadamente elevadas reduzem, de várias formas, o risco de lesões, melhorando o desempenho do atleta. Em primeiro lugar, a exposição à carga ajuda os atletas a resistir à carga subsequente. Em segundo lugar, o treino devidamente prescrito desenvolve qualidades físicas que não protegem apenas contra lesões, mas também permitem que os atletas realizem tarefas de competição de elevada intensidade.

 

Inscreva-se para o Certificado em Carga de Trabalho e Lesões em Desportos em Equipa, projetado por Tim Gabbett

 

2) Prepare-se para o “pior cenário”

O “pior cenário” refere-se à parte mais exigente do jogo. Essas partes ocorrem em momentos críticos da competição (ex. chutos à baliza, golos marcados ou sofridos), e são frequentemente chamados de “sprints repetidos” (ex. futebol, hóquei de campo) ou “esforço repetitivo de elevada intensidade” (ex. basquete, rúgbi, hóquei no gelo). A capacidade (ou incapacidade) de realizar esses esforços repetidos de elevada intensidade é geralmente crítica para o resultado da competição. De fato, provámos recentemente que uma grande percentagem das tentativas pontuadas em rúgbi ocorreu devido a um esforço repetido de elevada intensidade (5). Estas partes exigentes do jogo devem, portanto, ser vistas como uma “oportunidade” para ganhar vantagem sobre um adversário. Expôr os atletas às partes mais exigentes do jogo em treinos regulares (com descanso adequado), melhora a sua capacidade de tolerar essas exigências durante a competição. Afinal, se os programas de treino se concentram nas demandas médias da competição e negligenciam as partes mais exigentes, então, na melhor das hipóteses, os atletas só podem estar preparados para 50% da competição (Figura 1).

Figura 1. Um exemplo da parte mais exigente do jogo (ou “pior cenário possível”) para um atleta de desporto em equipa. A Figura 1 mostra o continuum de atividades de reabilitação, atividades de competências, demandas médias de jogos e as partes mais intensas do jogo. Reproduzido de (6).

 

3) Chegar lá com a maior segurança possível

“Mílon de Crotona” foi um lutador do século 6 a.C. que venceu muitas provas nos antigos festivais atléticos gregos. Segundo a lenda, Mílon carregou um touro adulto montanha acima até ao matadouro. Acredita-se que tenha conseguido estes feitos de força ao levantar primeiro um bezerro nos seus anos de formação, e todos os dias depois disso, carregando o bezerro até se tornar um animal adulto (Figura 2). Em termos modernos, Mílon de Crotona demonstrou o princípio de treino chamado sobrecarga progressiva. A sobrecarga durante os treinos é necessária para que os tecidos do corpo (ex. osso, músculo, tendão) se adaptem e tolerem possíveis tensões. No entanto, se o incremento na carga for muito rápido, a capacidade do tecido para tolerar essa tensão é excedida (ver ponto #1 acima), resultando em danos ou, em casos graves, rutura do tecido. Embora existam vários métodos de progressão das cargas de treino (ex. aumento de 10% na carga a cada semana), recentemente, descrevemos a taxa de carga de trabalho crónica aguda (ACWR) como um método seguro e sistemático de aumentar as cargas de treino (7 ). Os resultados desta investigação (que foi replicada por mais de 35 estudos diferentes e 11 desportos diferentes) (1) demonstram que grandes “picos” (ou seja, aumentos rápidos) na carga de treino aumentam o risco de lesões. No entanto, aumentos menores na carga resultam num risco de lesão consideravelmente menor.

Figura 2. Mílon de Crotona.

 

O que espera do seu atleta?

Construção de cargas de trabalho crónicas elevadas, preparação para a parte mais exigente do jogo e para cargas de trabalho que aumentam de forma sistemática e segura são princípios simples, porém sólidos, de treino. Quando os treinadores afirmam“Digam-me apenas o que preciso saber!”, talvez a melhor resposta seja perguntar o que esperam do seu atleta. O que pretendem que o atleta alcance durante a competição? As respostas podem ser amplas e variadas, mas geralmente incluem: “Quero que estejam em forma!”,“Quero que lidem com o que quer que seja que o jogo lhes apresente!”, e “Quero que estejam disponíveis!”. Que treinador não quer que os seus melhores jogadores estejam em forma, preparados e prontos para a “batalha”? Seguir os 3 passos simples descritos neste artigo fornece aos treinadores uma grande oportunidade de alcançar este objetivo.

 

Pelo Professor Tim Gabbett e a equipa Gabbett Performance Solutions

Tim Gabbett, consultor de alto rendimento. 20 anos de experiência em ciências aplicadas ao desporto, trabalhando com atletas e treinadores de diferentes tipos de desporto. Professor especialista do Certificado em Carga de Trabalho e Lesões em Desportos em Equipa do Barça Innovation Hub – Universitas.

 

Referências

1. Gabbett TJ. Debunking the myths about training load, injury and performance: Empirical evidence, hot topics and recommendations for practitioners. Br J Sports Med 2018; na imprensa.

2. Foster C, Daines E, Hector L, et al. Athletic performance in relation to training load. Wisc Med J 1996;95;370-374.

3. Aughey RJ, Elias GP, Esmaeili A, et al. Does the recent internal load and strain on players affect match outcome in elite Australian football? J Sci Med Sport 2016;19:182-186.

4. Lazarus BH, Stewart AM, Hopkins WG, et al. Proposal of a global training load measure predicting match performance in elite sport. Front Physiol 2017; Nov 21;8:930. doi: 10.3389/fphys.2017.00930. eCollection.

5. Gabbett TJ, Gahan CW. Repeated high-intensity effort activity in relation to tries scored and conceded during rugby league match-play. Int J Sports Physiol Perform 2016; na imprensa.

6. Gabbett TJ, Kennelly S, Sheehan J, et al. If overuse injury is a “training load error” should undertraining be viewed the same way? Br J Sports Med 2016;50:1017-1018.

7. Gabbett TJ. The training—injury prevention paradox: should athletes be training smarter and harder? Br J Sports Med 2016;50:273-280.

NOTAS RELACIONADAS

NOVOS DADOS COMO AS EXIGÊNCIAS FÍSICAS DOS FUTEBOLISTAS VARIAM CONSOANTE A SUA POSIÇÃO

Muitos dos inúmeros estudos a esse respeito, contudo, analisam essas exigências tendo apenas em conta algumas variáveis ou empregando janelas de tempo muito alargadas. Um novo estudo realizado por preparadores físicos do F.C. Barcelona analisou vários desses dados com mais precisão.

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

DUAS SEMANAS SÃO SUFICIENTES PARA AUMENTAR O VOLUME E A FORÇA MUSCULAR

Pela primeira vez se prova que não são necessários meses de treino, apenas duas semanas de exercícios adequados são o suficiente para melhorar significativamente o volume e a força muscular.

EXERCÍCIOS EXCÊNTRICOS: ESTUDAR “VACINAS” PARA OS MÚSCULOS

É importante treinar com exercícios do tipo excéntrico para prevenir possíveis danos. No entanto, o treino intensivo também pode causar alguns danos a nível muscular, que devem ser monitorizados para minimizar o risco de lesão.

O NÍVEL DE RESISTÊNCIA COMO MODERADOR DA CARGA DE TREINO

A resistência cardiovascular surgiu como moderador do resultado da carga a que se sujeita o desportista.

Estão os jogadores bem perfilados em relação à bola?

Através da visão por computador, podemos identificar alguns défices em relação à orientação corporal dos jogadores em diferentes situações de jogo.

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.