5 August, 2019

FORÇA ISOMÉTRICA DA CADEIA POSTERIOR: SUA IMPORTÂNCIA NO FUTEBOL E COMO MEDI-LA

Rendimento Desportivo
Rendimento Desportivo
Medical services and wellness
160K

A lesão dos isquiotibiais é uma das mais comuns entre os esportes que incluem sprints ou desaceleração súbita da perna, como nos golpes de futebol, já que esse músculo age excentricamente para deter essa aceleração. No caso do futebol, observou-se que as lesões dos isquiotibiais representam até 37% das lesões musculares (Ekstrand, Hägglund, & Waldén, 2011). Portanto, a determinação dos fatores de risco associados a essa lesão será essencial para conceber possíveis estratégias preventivas.

Um dos fatores associados a um risco aumentado de lesão é apresentar baixos níveis de força ou desequilíbrios musculares significativos (por exemplo, força de extensão muito maior do que a de flexão do joelho). De fato, observou-se que a maior incidência de lesões isquiotibiais ocorre durante a segunda parte das partidas, quando a musculatura está mais fatigada e pode produzir níveis mais baixos de força. Portanto, é conveniente avaliar a força isquiotibial de nossos atletas continuamente durante toda a temporada após os jogos para saber quais atletas acumulam níveis mais altos de fadiga e/ou dano muscular residual, o que poderia levar a um risco aumentado de lesão.

Embora tradicionalmente o método mais preciso para avaliar a força de flexão do joelho (isto é, músculo isquiotibial) tenha sido através do uso de dinamômetros complexos, um teste muito prático de força isométrica da cadeia posterior ganhou popularidade nos últimos anos, popularmente conhecido como o teste de McCall, autor do primeiro estudo de validação deste teste (McCall et al., 2015). Nesse teste, o atleta encontra-se em decúbito dorsal e coloca o calcanhar sobre uma plataforma de força (que pode ser colocada alta, posicionando o joelho com maior grau de flexão, ou mais próximo ao chão, com o joelho menos fletido). A partir desta posição, o atleta realizará uma contração isométrica máxima tentando estender o quadril e flexionar o joelho, ou seja, ativando a cadeia posterior, sem levantar o quadril do chão (Figura 1).

Figura 1. Exemplo do teste isométrico da cadeia posterior. Fonte própria. NOTA: Embora no estudo de validação original a plataforma de força seja colocada sobre um pedestal a 30 cm do chão e a angulação do joelho seja medida com um goniômetro, no FC Barcelona, por questões de praticidade, o teste é normalmente realizado com a plataforma de forças diretamente no chão.

O teste McCall é usado regularmente no FC Barcelona, porque, como diz Gerard Carmona, membro da Área de Performance do clube, “é um teste muito simples, mas fornece informações relevantes sobre a fadiga após a partida de futebol”. Esse teste mostrou-se confiável e sensível à mudança, sendo capaz de identificar, por exemplo, as diminuições de força que ocorrem agudamente após um jogo de futebol, que é, de fato, o momento em que o risco de lesão é maior (McCall et al., 2015). Além disso, corroborando a relevância deste teste, observou-se que níveis mais baixos de força isométrica da musculatura isquiotibial estão associados a um aumento do risco de lesão nessa área, especialmente quando já houve uma lesão prévia (De Vos et al., 2014).

É importante notar que, embora a maneira mais precisa de avaliar a força seja através do uso de plataformas de força, na versão original deste importante teste (Schache, Crossley, Macindoe, Fahrner, & Pandy, 2011)era proposta a medição da força colocando um esfigmomanômetro abaixo do calcanhar (Figura 2), o que permite que este teste seja realizado mesmo quando os recursos materiais são mínimos. Por outro lado, embora o teste seja validado para ser realizado tanto com o joelho a 90º quanto a 30º (sendo 0º a extensão total), um estudo recente observou que, com menor grau de flexão do joelho (30º vs 90º), uma maior ativação da cadeia posterior é observada, possivelmente devido ao fato de que a musculatura dos isquiotibiais é mais alongada(Read, Turner, Clarke, Applebee, & Hughes, 2019). De fato, durante o jogo há picos de força maiores nessa musculatura quando o joelho está mais estendido (por exemplo, nas últimas fases do movimento durante um chute na bola). Portanto, pode ser mais aconselhável realizar o teste com menos flexão do joelho, por exemplo, colocando a plataforma de forças no chão, como é feito no FC Barcelona.

Figura 2. A força isométrica da cadeia posterior também pode ser avaliada pelo uso de um esfigmomanômetro, embora a precisão e confiabilidade possam ser comprometidas (imagem obtida de Schache et al., 2011).

Em resumo, o teste McCall pode ser usado para avaliar a força isométrica da cadeia posterior de maneira contínua, simples e minimamente fatigante. Esta avaliação nos permitirá identificar os atletas com um nível mais alto de fadiga pós-jogo (com o risco de lesão nos isquiotibiais que pode envolver), ou avaliar se a recuperação de força após uma lesão é ótima.

 

A equipe Barça Innovation Hub

 

Referências

De Vos, R. J., Reurink, G., Goudswaard, G. J., Moen, M. H., Weir, A., e Tol, J. L. (2014). Clinical findings just after return to play predict hamstring re-injury, but baseline MRI findings do not. British journal of sports medicine, 48(18), 1377–1384. https://doi.org/10.1136/bjsports-2014-093737

Ekstrand, J., Hägglund, M., e Waldén, M. (2011). Epidemiology of muscle injuries in professional football (soccer). American Journal of Sports Medicine, 39(6), 1226–1232. https://doi.org/10.1177/0363546510395879

McCall, A., Nedelec, M., Carling, C., Le Gall, F., Berthoin, S., e Dupont, G. (2015). Reliability and sensitivity of a simple isometric posterior lower limb muscle test in professional football players. Journal of Sports Sciences, 33(12), 1298–1304. https://doi.org/10.1080/02640414.2015.1022579

Read, P. J., Turner, A. N., Clarke, R., Applebee, S., e Hughes, J. (2019). Knee Angle Affects Posterior Chain Muscle Activation During an Isometric Test Used in Soccer Players. Sports, 7(1), 13. https://doi.org/10.3390/sports7010013

Schache, A. G., Crossley, K. M., Macindoe, I. G., Fahrner, B. B., e Pandy, M. G. (2011). Can a clinical test of hamstring strength identify football players at risk of hamstring strain? Knee Surgery, Sports Traumatology, Arthroscopy, 19(1), 38–41. https://doi.org/10.1007/s00167-010-1221-2

NOTAS RELACIONADAS

NOVOS DADOS COMO AS EXIGÊNCIAS FÍSICAS DOS FUTEBOLISTAS VARIAM CONSOANTE A SUA POSIÇÃO

Muitos dos inúmeros estudos a esse respeito, contudo, analisam essas exigências tendo apenas em conta algumas variáveis ou empregando janelas de tempo muito alargadas. Um novo estudo realizado por preparadores físicos do F.C. Barcelona analisou vários desses dados com mais precisão.

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

O QUE É REALMENTE A GESTÃO DA CARGA?

Neste artigo, Tim Gabbett e a sua equipa fornecem um guia convivial para os profissionais, ao descrever o objetivo geral da gestão de carga aos treinadores.

DUAS SEMANAS SÃO SUFICIENTES PARA AUMENTAR O VOLUME E A FORÇA MUSCULAR

Pela primeira vez se prova que não são necessários meses de treino, apenas duas semanas de exercícios adequados são o suficiente para melhorar significativamente o volume e a força muscular.

EXERCÍCIOS EXCÊNTRICOS: ESTUDAR “VACINAS” PARA OS MÚSCULOS

É importante treinar com exercícios do tipo excéntrico para prevenir possíveis danos. No entanto, o treino intensivo também pode causar alguns danos a nível muscular, que devem ser monitorizados para minimizar o risco de lesão.

O NÍVEL DE RESISTÊNCIA COMO MODERADOR DA CARGA DE TREINO

A resistência cardiovascular surgiu como moderador do resultado da carga a que se sujeita o desportista.

Estão os jogadores bem perfilados em relação à bola?

Através da visão por computador, podemos identificar alguns défices em relação à orientação corporal dos jogadores em diferentes situações de jogo.

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.