27 August, 2018

EXERCÍCIOS EXCÊNTRICOS: ESTUDAR “VACINAS” PARA OS MÚSCULOS

Rendimento Desportivo
Desportos Colectivos
Blog
160K

As lesões musculares são um dos principais problemas que os atletas enfrentam, principalmente os de alta competição. Um dos grupos musculares mais sensíveis a esse tipo de lesão é o grupo dos chamados isquiotibiais, que se situam na parte posterior da perna e trabalham sobretudo em situações de sprint.

Para trabalhar esses músculos e prevenir possíveis danos, é importante treinar com exercícios do tipo excêntrico, que geram tensões por alongamento, como acontece, por exemplo, com os exercícios ditos de “peso morto”. No entanto, o treino intensivo também pode causar alguns danos a nível muscular, que devem ser monitorizados para minimizar o risco de lesão.

Recentemente, vários membros da equipa médica do F.C. Barcelona participaram num estudo em que analisaram a variabilidade individual desses danos e o respetivo acompanhamento, usando diferentes técnicas de diagnóstico. O trabalho foi publicado na revista Frontiers in Physiology.

 

Exercícios excêntricos: “vacinas” sob controlo

“Os exercícios excêntricos são uma boa estratégia para prevenir lesões”, diz Gerard Carmona, investigador da Área de Rendimento do F.C. Barcelona e da Escola de Ciências da Saúde TecnoCampus e principal responsável pelo artigo. Quando realizados, “desencadeiam-se processos de adaptação que protegem o músculo: funcionam como uma espécie de vacina”.

No entanto, é aconselhável monitorizar os efeitos desse treino, uma vez que, dependendo das características ou da condição física de cada atleta, ele pode não ter os benefícios esperados.

“O objetivo do estudo”, resume Carmona, “era classificar as pessoas por tipo de dano muscular resultante da prática de um exercício excêntrico de alta intensidade”.

Para isso, treze voluntários realizaram seis séries de dez repetições de um exercício de “leg-curl” a uma intensidade supramáxima, em que o peso era levantado externamente e eles tinham de o baixar gradualmente, em três segundos. Durante sete dias, antes e depois do exercício, analisou-se a capacidade de geração de força (FGC, na sigla inglesa), determinou-se a concentração de várias enzimas musculares no sangue (que dão uma medida dos danos musculares) e realizaram-se ressonâncias magnéticas funcionais que permitiam localizar os músculos que mais tinham trabalhado.

 

Resultados e conclusões do estudo

Tanto a diminuição da capacidade de geração de força quanto o aumento de enzimas musculares no sangue determinaram que se poderiam estabelecer dois grupos de pessoas, de acordo com sua resposta muscular: as que respondiam com grandes danos e as que apresentavam danos moderados. As que menos acusaram o que fosse, em resultado do exercício, foram as que realizaram a atividade física mais básica, incluindo desportos com muitos momentos de sprint. No entanto, “havia uma grande variabilidade na resposta, mesmo nas pessoas com níveis de base muito semelhantes”, diz Carmona, que destaca uma das contribuições adicionais do trabalho:

“A diminuição na capacidade de geração de força é muito semelhante ao aumento das enzimas musculares, por isso, serviria para fazer o acompanhamento dos danos com muito mais facilidade e dispensaria a extração de sangue”.

O estudo também permitiu conhecer “a dinâmica de recrutamento muscular deste tipo de exercício”, os elementos que mais intervêm na sua realização. Embora se utilize o termo genérico “isquiotibiais”, na verdade, trata-se de um grupo formado por quatro músculos diferentes: semimembranoso, semitendinoso e bíceps femoral, que tem uma  cabeça ou porção curta e outra longa. “Vimos que, na presença de fadiga ou lesão muscular prévia, o exercício incide especialmente sobre o semitendinoso ou, até, a cabeça curta do bíceps“, diz Carmona. Nesses casos, que poderiam ser detetados simplesmente porque não há recuperação total da força três dias após o exercício, “isso poderia aumentar o risco de lesão, e seria conveniente realizar um exercício diferente ou, muito possivelmente, programar um período de descanso”.

 

 

A equipe do Barça Innovation Hub

NOTAS RELACIONADAS

AS LESÕES MAIS TÍPICAS DO ANDEBOL PODEM VARIAR SEGUNDO A POSIÇÃO, A CATEGORIA E A MATURIDADE DO JOGADOR

Alguns estudos avaliaram as características dos fatores de risco de lesão, mas nenhum deles chegou a uma conclusão suficientemente fiável. Agora, um trabalho realizado em todas as categorias do Andebol do FC Barcelona veio esclarecer esta questão.

É POSSÍVEL DESENVOLVER UM ATLETA “INQUEBRÁVEL”?

Se o conhecimento em torno dos benefícios da carga de treino está a aumentar, é possível que e a equipa médica e de desempenho desenvolvam um atleta “inquebrável”? Num artigo recente do British Journal of Sports Medicine, pesquisadores e profissionais uniram forças para abordar esta questão.

Análise e Tecnologia Desportiva
Rendimento Desportivo
Desportos Colectivos
Blog

NOVOS DADOS COMO AS EXIGÊNCIAS FÍSICAS DOS FUTEBOLISTAS VARIAM CONSOANTE A SUA POSIÇÃO

Muitos dos inúmeros estudos a esse respeito, contudo, analisam essas exigências tendo apenas em conta algumas variáveis ou empregando janelas de tempo muito alargadas. Um novo estudo realizado por preparadores físicos do F.C. Barcelona analisou vários desses dados com mais precisão.

Saúde e Bem-Estar
Rendimento Desportivo
Blog

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

LESÕES DE ISQUIOTIBIAIS E OUTRAS LESÕES MUSCULARES EM CRIANÇAS E JOVENS ATLETAS

Este é um dos poucos estudos que visam estudar lesões dos isquiotibiais em crianças e jovens. Os seus resultados indicam que o risco é menor que o dos adultos, mas não é insignificante, e que aumenta progressivamente com a idade.

Rendimento Desportivo
Blog

O QUE É REALMENTE A GESTÃO DA CARGA?

Neste artigo, Tim Gabbett e a sua equipa fornecem um guia convivial para os profissionais, ao descrever o objetivo geral da gestão de carga aos treinadores.

Rendimento Desportivo
Blog

DUAS SEMANAS SÃO SUFICIENTES PARA AUMENTAR O VOLUME E A FORÇA MUSCULAR

Pela primeira vez se prova que não são necessários meses de treino, apenas duas semanas de exercícios adequados são o suficiente para melhorar significativamente o volume e a força muscular.

NUTRIÇÃO DE RECUPERAÇÃO PARA O FUTEBOL: CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPA

Análise e Tecnologia Desportiva
Desportos Colectivos
Blog

Graus de liberdade ou de escravidão?

A compreensão das variáveis modificadoras do jogo, com base nos graus de liberdade.

O futebol a partir dos primeiros princípios

O objetivo desta publicação é delinear uma série de princípios considerados cruciais para compreender o o desenvolvimento do estilo de jogo do FC Barcelona.

UMA CLASSIFICAÇÃO OBJETIVA DAS LESÕES MUSCULARES

Uma boa e objetiva classificação “melhoraria a precisão do prognóstico, permitira ajustar o tratamento e reduzir o risco de relesão.

O ESTUDO DAS ACELERAÇÕES E DESACELERAÇÕES DE ALTA INTENSIDADE NO FUTEBOL

Uma nova dimensão de análise sugere que as acelerações máximas ocorrem com uma freqüência maior que 8 vezes em ações de sprint.

Rendimento Desportivo
Desportos Colectivos
Blog

O NÍVEL DE RESISTÊNCIA COMO MODERADOR DA CARGA DE TREINO

A resistência cardiovascular surgiu como moderador do resultado da carga a que se sujeita o desportista.

CARGA DE TREINO NA PRÉ-TEMPORADA E RISCO DE LESÃO

A pré-temporada ou fase preparatória da temporada é um dos momentos da temporada onde são geralmente cometidos os maiores “erros” de gestão de carga de treino.

Rendimento Desportivo
Blog

Estão os jogadores bem perfilados em relação à bola?

Através da visão por computador, podemos identificar alguns défices em relação à orientação corporal dos jogadores em diferentes situações de jogo.

Os espaços no futebol sob uma perspetiva quantitativa

Nas palavras de Johan Cruyff, “os jogadores, na verdade, têm posse da bola, em média, durante 3 minutos. Portanto, o mais importante é: o que fazer durante os outros 87 minutos em que não se tem a bola? É isto que determina a qualidade do jogador.”

O diagnóstico de imagiologia na medicina desportiva: presente e futuro

As lesões musculares representam mais de 30 % de todas as lesões sofridas em desportos como o futebol.

VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

MANTENHA O DIA COM NOSSAS NOTÍCIAS

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Empreendimento

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.