19 October, 2019

ESTRATÉGIAS PARA USAR EM REPOUSO PARA MELHORAR O DESEMPENHO DE JOGADORES NO SEGUNDO TEMPO EM ESPORTES COLETIVOS

Saúde e Bem-Estar
Saúde e Bem-Estar
160K

Boa parte dos jogos de esportes coletivos é composta por dois períodos de jogo (geralmente 30 ou 45 minutos), separados por uma pausa no meio da partida (10 a 20 minutos).Os jogadores procuram relaxar mental e fisicamente, reidratar-se e tomar substâncias ergogênicas, seguir as instruções técnicas do treinador e receber tratamento médico ou renovar seus equipamentos1.No entanto, é possível que esse protocolo de ação aceito por atletas e treinadores não seja o melhor possível.Algumas pesquisas mostraram, por exemplo, que no futebol pode haver perda de rendimento físico2 e cognitivo3 e aumento no risco de sofrer uma lesão4 no início do segundo tempo das partidas.Parece que a perda de temperatura corporal devido a uma recuperação excessivamente passiva no vestiário pode estar por trás dessa deterioração no rendimento dos jogadores.

Uma pesquisa recente5 sugere um modelo de desempenho diferente durante o intervalo para reduzir os possíveis efeitos negativos da pausa na partida.A proposta de ações, sua ordem e duração é a seguinte (presume-se que a duração do descanso seja de 15 minutos):

 

  • De -15 a – 13 minutos:Os jogadores chegam ao vestiário vindos do campo.
  • De -13 a -10 minutos:Tempo exclusivo para os jogadores (incluindo tratamento de lesões).
  • De -10 a -8 minutos:Bate-papo do treinador para a equipe (com análise de vídeo).
  • De -8 a -6 minutos:Visualizar sequências de vídeo individuais (com feedback associado).
  • De -6 a -4 minutos:Vestir/ajustar o equipamento e chiclete com cafeína.
  • Durante todo este tempo (de -15 a -4 minutos):Estratégias passivas de manutenção de calor.
  • De -4 a -1 minutos:Reaquecimento, incluindo exercícios de alta intensidade e/ou aprimoramento pós-ativação.
  • De -1 até o início do segundo tempo:Hidratação de carboidratos na boca.
  • Durante o tempo de descanso: estratégias hidro-nutricionais adequadas.

 

A perda da temperatura corporalobservada durante o descanso poderia ser evitada com duas estratégias6:

1. O uso de roupas quentes, jaquetas de sobrevivência ao ar livre ou almofadas térmicas pode ser aplicado com relativamente pouco inconveniente para os atletas e provou ser benéfico no combate à perda de temperatura corporal.

2. A temperatura ambiente do vestiário pode aumentar.

O reaquecimento proposto no final do intervalo pode melhorar o desempenho físico e técnico dos jogadores em comparação com as práticas de recuperação passiva7.Realizar exercícios de alta intensidade e/ou potenciação pós-ativação pode ser uma boa estratégia.A presença de cafeína e carboidratos na boca pode facilitar o desempenho subsequente imediato8,9.No entanto, se o tempo entre a ingestão e o exercício a seguir for muito longo, os efeitos ergogênicos dessas substâncias poderão ser perdidos.Recomenda-se a ingestão de soluções de chiclete de cafeína e carboidratos nos momentos finais de descanso.O reforço positivo da visualização de sequências de vídeo com ações bem-sucedidas pelos jogadores poderia ser aumentado com mensagens positivas do treinador10.Da mesma forma, devemos apresentar com cautela imagens da equipe rival que geram reações negativas nos atletas.

Esse modelo teórico de atuação nos intervalos das partidas não deve, em caso algum, ser um protocolo rígido.Trata-se de complementar, e não de substituir práticas que são percebidas como benéficas pelos jogadores e que fazem parte de suas estratégias de ativação individuais.

 

 

Carlos Lago Peñas

 

Referências

1 Towlson, C.; Midgley, A.W.e Lovell, R. (2013).Warm-up strategies of professional soccer players: practitioners’ perspectives.J Sports Sci.31(13):1393-401.

2 Mohr, M.; Krustrup, P. e Bangsbo J. (2005).Fatigue in soccer: a brief review.J Sports Sci.23(6):593-9.

3 Greig, M.; Marchant, D.; Lovell, R.; et al.(2007).A continuous mental task decreases the physiological response to soccer-specific intermittent exercise.Br J Sports Med.41(12):908-13.

4 Hawkins, R.D. y, Fuller CW.(1996).Risk assessment in professional football: an examination of accidents and incidents in the 1994 World Cup finals.Br J Sports Med.30(2):165-70.

5 Russell, M.; West, D.; Harper, L.D.; Cook, C. e Kilduff, L.P.(2015).Half-time strategies to enhance second-half performance in team-sports players:A review and recommendations.Sports Medicine.45(3):353-364.

NOTAS RELACIONADAS

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.