BIHUB PATH

12 November, 2019

COMO SERÁ O FUTEBOL EM 2030? A EVOLUÇÃO DO JOGO DESDE 1966

Rendimento Desportivo
318K

O trabalho dos treinadores e preparadores físicos é treinar os atletas da melhor maneira possível para alcançar o sucesso no jogo. Trata-se de igualar ou, inclusive, aumentar a exigência física, técnica e tática da competição nas tarefas de treinamento. Os jogadores de futebol devem ser preparados para os panoramas de máxima exigência em competição (“worst case scenario”). Conhecer as demandas do jogo parece ser de vital importância para melhorar as capacidades dos atletas. Por isso estamos tão interessados em saber como será o futebol no futuro. Deve haver antecipação no treinamento para que os jogadores tenham a melhor preparação possível.

Alguns trabalhos publicados nos últimos anos podem nos dar algumas pistas sobre como será o jogo nos próximos anos.1,2,3 Wallace e Norton (2014) estudaram a evolução do jogo tomando como amostra a partida final da Copa do Mundo no período de 1966 a 2010. De acordo com seus resultados, é possível propor distintos modelos de regressão para simular como será uma partida de futebol no futuro em cinco indicadores do jogo:

1. Tempo real de jogo (%) = 539.8 ─ 0,2419 x X, r=0,44; p=0,032.

2. Velocidade da bola (m/s) = ─42.958 + 0,026 x X, r=0,446; p=0,029.

3. Frequência de passes por minuto = ─166,194 + 0,090 x X, r=0,796 p=0,0001.

4. Duração dos lançamentos de falta não a gol (s) = ─277,50 + 0,148 x X, r=0,18; p=0,0001.

5. Duração dos lançamentos de falta a gol (s) = ─1088,4 + 0,573 x X, r=0,36; p=0,0104.

O tempo real de jogo foi reduzido de forma significativa no período de 1966 a 2010: de 64,23% passou a 53,66%. Em 2030 é possível que se atinja um valor de 48,74%. A velocidade da bola aumentou notavelmente no período de 1966 a 2010: quase 1,20 m/s. Se a tendência for mantida, atingirá os 9,73 m/s em 2030. A frequência de passes por minuto aumentou de 10,75 passes, em 1966, a 14,71 em 2010. Em 2030 poderia chegar até 16,51 passes por minuto. A duração dos lançamentos de falta a gol e não a gol também cresceu de forma importante. Cada vez mais tempo é invertido na realização da cobrança de faltas, principalmente naquelas lançadas a gol. Em 2026 serão invertidos 74,79 segundos contra os 38,12 utilizados em 1966.

O perfil de desempenho físico também foi modificado nos últimos anos. De acordo com diversos estudos,4,5 a distância total percorrida pelos jogadores é similar à de 10 anos atrás. Contudo, o número de sprints e de ações a alta intensidade é cada vez maior. Em qualquer caso, a distância percorrida nestes esforços foi reduzida nas últimas temporadas. Ou seja, há mais intervenções a alta intensidade, ainda que sejam de menor duração e distância.

Assim, parece que o futebol continuará evoluindo no futuro imediato a um jogo cada vez mais rápido, em que o nível técnico dos jogadores será cada vez mais alto, e onde os esforços de alta intensidade serão cada vez mais determinantes. O tempo de jogo irá se reduzindo progressivamente, até que o tempo parado seja superior ao tempo com a bola em jogo. Além disso, as ações com bola parada ganharam em importância. Será um esporte cada vez mais intermitente. Os treinadores, preparadores físicos e demais membros do corpo técnico deverão considerar esta evolução para preparar os jogadores para a competição da melhor forma possível.

 

Carlos Lago Peñas

 

Referências

1 Barreira, D., Garganta, J., Castellano, J., Prudente, J., e Anguera, M.T. (2014). Evolución del ataque en el fútbol de élite entre 1982 y 2010: Aplicación del análisis secuencial de retardos. Revista de Psicología del Deporte, 23(1), 139-146.

2 Kuhn, T. (2005). Changes in Professional Soccer: a qualitative and quantitative study. Em T. Reilly, J. Cabri e D. Araújo (Eds.), Science and Football V (p. 184-195). Londres: E & FN Spon.

3 Wallace, J.K. y Norton, K.I. (2014). Evolution of World Cup soccer finals games 1966-2010: Game structure, speed and play pattern. Journal of Science and Medicine in Sport, 17(2), 223-228.

4 Barnes, C.; Archer, D.T.; Hogg, B.; Bush, M. e Bradley, P.S. (2014). The evolution of physical and technical performance parameters in the English Premier League. nternational Journal of Sport Medicine, 35(13), 1095-1100.

5 Bush, M. Barnes, C.; Archer, D.T.; Hogg, B.; Bush, M. e Bradley, P.S. (2015). Evolution of match performance parameters for various playing position in the English Premier League. Human Movement Science, 39, 1-11.

 

NOTAS RELACIONADAS

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

NOVOS DADOS COMO AS EXIGÊNCIAS FÍSICAS DOS FUTEBOLISTAS VARIAM CONSOANTE A SUA POSIÇÃO

Muitos dos inúmeros estudos a esse respeito, contudo, analisam essas exigências tendo apenas em conta algumas variáveis ou empregando janelas de tempo muito alargadas. Um novo estudo realizado por preparadores físicos do F.C. Barcelona analisou vários desses dados com mais precisão.

O QUE É REALMENTE A GESTÃO DA CARGA?

Neste artigo, Tim Gabbett e a sua equipa fornecem um guia convivial para os profissionais, ao descrever o objetivo geral da gestão de carga aos treinadores.

DUAS SEMANAS SÃO SUFICIENTES PARA AUMENTAR O VOLUME E A FORÇA MUSCULAR

Pela primeira vez se prova que não são necessários meses de treino, apenas duas semanas de exercícios adequados são o suficiente para melhorar significativamente o volume e a força muscular.

EXERCÍCIOS EXCÊNTRICOS: ESTUDAR “VACINAS” PARA OS MÚSCULOS

É importante treinar com exercícios do tipo excéntrico para prevenir possíveis danos. No entanto, o treino intensivo também pode causar alguns danos a nível muscular, que devem ser monitorizados para minimizar o risco de lesão.

O NÍVEL DE RESISTÊNCIA COMO MODERADOR DA CARGA DE TREINO

A resistência cardiovascular surgiu como moderador do resultado da carga a que se sujeita o desportista.

Estão os jogadores bem perfilados em relação à bola?

Através da visão por computador, podemos identificar alguns défices em relação à orientação corporal dos jogadores em diferentes situações de jogo.

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.