BIHUB PATH

January 28, 2022

Medicina

Como a poluição afeta os jogadores de futebol

By Álvaro González.

Embora a poluição ambiental seja um dos problemas que mais preocupam a sociedade, as pesquisas científicas sobre como a poluição afeta o esporte profissional estão apenas dando os primeiros passos. Existem inúmeros estudos sobre como o meio ambiente influencia os trabalhadores e cidadãos em geral, mas raramente eles tomam os esportistas como objeto de estudo, quando sua inalação de ar é muito maior durante a atividade física. Está apenas documentado que a exposição às emissões causa dano oxidativo e inflamação do sistema cardiovascular a longo prazo.

A poluição afeta o desempenho esportivo?

A campanha que a UEFA lançou em 2021 de Cleaner air, better game tomava o compromisso da organização de compensar as emissões de gases de efeito estufa geradas por suas competições, mas em uma epígrafe também ecoou em uma investigação que tinha notado mudanças nos jogadores de futebol devido à má qualidade do ar. O estudo citado foi realizado na Alemanha em 2015. Comparou os dados gerados pelo desempenho dos jogadores de futebol entre 1999 e 2011 em relação aos registros de qualidade do ar de cada cidade. Andreas Lichter, Nico Pestel e Eric Sommer consideraram os níveis de ozônio e PM10 (partículas sólidas ou líquidas de poeira, cinzas, fuligem, partículas metálicas, cimento ou pólen, dispersas na atmosfera) em 2.956 partidas disputadas por 1.771 jogadores em 32 estádios por 12 anos. O dado mais alarmante foi que 7% das partidas foram disputadas acima do limite de concentração de PM10 estabelecido pelo regulamento da União Europeia.

Esta pesquisa descobriu que um jogador fazia em média entre 26 e 34 passes por jogo com uma precisão de 77%.. O 90% de todos eles eram curtos, a uma distância inferior a 30 metros. No entanto, essas estatísticas vinham sendo alteradas segundo o nível de PM10 no ar. Inclusive tinha mudanças significativas com apenas níveis moderados de PM10. A contaminação afetou não apenas o número de passes e a precisão, mas também sua duração. Os acadêmicos consideraram que o passe longo pode ser interpretado como uma forma de se livrar da bola, pois em níveis mais altos de contaminação, esse tipo de passe aumentava em relação aos que eram curtos. Além disso, a influência da atmosfera era maior para os jogadores mais velhos e para aqueles que tinham posições mais exigentes fisicamente e ativas no jogo, meio-campistas e zagueiros. Levando em conta todos esses parâmetros, o desempenho podia diminuir até 16% dependendo da qualidade do ar, concluíram.

Adaptação à poluição

Com base nesses resultados, um estudo chinês acaba de confirmar algumas dessas descobertas. A investigação incluiu todas as partidas da Super Liga (CSL) realizadas entre maio de 2015 e novembro de 2017, cerca de 576, em 16 cidades. Novamente, o estudo foi orientado para o número de passes que cada jogador fez e sua porcentagem de sucesso como medida para medir seu esforço, embora a nova nuance desta pesquisa tenha sido voltada para descobrir se os jogadores podem se adaptar a condições externas desfavoráveis, como a contaminação. A evidência empírica indica que tanto animais quanto humanos podem diminuir a frequência do ritmo cardíaco e a respiração durante um período de tempo se estão expostos a um ar contaminado.

Os resultados confirmam que a poluição afeta a qualidade e o número de passes feitos pelos jogadores.. No entanto, esses acadêmicos apontam que os jogadores de futebol da seleção local dificilmente são afetados pela qualidade do ar. Esse dado indicaria que pode haver algum tipo de adaptação e, além disso, destaca a vantagem de jogar em casa.

O estudo fornece três descobertas principais:

  • Um maior efeito de contaminação sobre o jogador é visto se houver uma diferença entre a qualidade dessa atmosfera e a de seu local de origem. A diminuição no desempenho é estimada em uma redução de 2% na participação no jogo (passes) e 3,1% na sua precisão (sucesso nos passes).
  • Pode que seja produzida uma adaptação ao ambiente habitual do jogador de futebol, pois onde o efeito da contaminação no jogo foi mais visível foi nas equipes visitantes, até 7,1 e 7,8% de queda do rendimento.
  • Como o estudo alemão já indicou, os jogadores mais jovens são menos sensíveis à poluição.

Poluição e capacidade cognitiva

Ainda existe grande divergência nas conclusões desse tipo de estudo sobre esporte e poluição. No entanto, os resultados da pesquisa citados apontam inequivocamente para o fato de que a qualidade do ar afeta pelo menos a capacidade cognitiva. Esse dado não é novo. Em 2020, a Universidade de Amsterdã sugeriu que a poluição poderia alterar a ascensão de riscos. Seu estudo foi baseado em jogos do campeonato nacional de xadrez. Quanto maior a contaminação, maior a probabilidade de que eles acabassem empatados. Outro estudo holandês de xadrez também mostrou que, em lugares fechados, a concentração de PM2,5 no ar, as menores partículas poluentes, aumentava em 26,3% a probabilidade de que o jogador cometesse um erro na jogada. Os autores analisaram 30.000 lances de 596 jogos.

Essa ideia poderia validar a hipótese de que, em uma partida de futebol, a poluição do ar favoreceria que os jogadores fizessem passes mais longos, o que implica menos risco. Os holandeses se baseavam em uma pesquisa relacionada ao mundo das finanças para contrastar sua descoberta. Em 2016, um estudo descobriu que quando a poluição aumentava em Manhattan, havia menos operações de risco na bolsa. Não em vão, voltando ao esporte, também foi constatado que no beisebol americano, os árbitros cometem 11,5% mais erros com um aumento de 1 ppm (partes por milhão) de monóxido de carbono na atmosfera.

Os eventos de estádio são poluentes?

O que também está claro é que, em geral, todos os efeitos que puderam ser demonstrados são prejudiciais à qualidade do jogo e do espetáculo. Esse problema é especialmente relevante no esporte dos estádios. A própria celebração de um evento esportivo gera altos picos de poluição com todos os veículos que se aproximam do campo. Nos Estados Unidos, até mesmo os churrascos que costumam ser feitos nas proximidades do campo têm sido contados como fator contaminante. Em números, cada 10.000 espectadores que assistem a um jogo da NFL representam um aumento de 0,3% no AQI (Índice de qualidade do ar). Em declarações a The Sustainability Report, Nicholas Watanabe, da Universidade de Carolina do Sul, disse que quando a universidade da Columbia recebeu o torneio da NCAA de basquete, o AQI saltou para mais de 150 em uma cidade onde raramente passa de 40.

Esportistas no centro da emergência climática

Até agora não houve estudos mais eloquentes neste campo do que aqueles que analisaram os registros de maratonistas na China. As conclusões, depois de analisar 56 testes realizados entre 2014 e 2015, foram contundentes. Em média, um corredor pode perder até doze minutos de sua marca habitual em uma corrida realizada em um dia com altas taxas de poluição. Embora ainda restem muitos fatores a determinar neste fenômeno, a médio prazo se impõe a necessidade de instalar contadores de poluição para poder adequar os treinos e jogos a tempos com melhor qualidade do ar, tendo também em conta critérios de saúde. Deve-se ter em conta que o ar que um esportista inala, devido à frequência de sua respiração durante a atividade, carrega substâncias contaminantes mais profundamente em seu corpo. Além disso, respirar pela boca perde o efeito de filtragem dos pelos nasais. Durante três horas de exercício, pode passar pelo seu organismo o mesmo volume de ar que uma pessoa sedentária respira em dois dias. Portanto, já existem evidências suficientes para também colocar os esportistas no centro da emergência climática.

FONTES:

UEFA explainer: ‘Cleaner Air, Better Game’ campaign

https://www.uefa.com/insideuefa/sustainability/activities/0267-11dfaadcb305-75a1b049fdcd-1000–explainer-cleaner-air-better-game/

Productivity effects of air pollution: Evidence from professional soccer

https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0927537117302658?via%3Dihub

Who Can Adapt to Air Pollution? Evidence from Professional Football Players in China

https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3669464

Match Performance of Soccer Teams in the Chinese Super League—Effects of Situational and Environmental Factors

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6862007/

Risk Attitude and Air Pollution: Evidence From Chess

https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3609237

The effect of air pollution on investor behavior : evidence from the S&P 500

https://www.econbiz.de/Record/the-effect-of-air-pollution-on-investor-behavior-evidence-from-the-s-p-500-heyes-anthony/10011567445

Indoor Air Quality and Cognitive Performance

https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3460848

Air Pollution at College Football Games: Developing a Methodology for Measuring Air Pollutant Exposure in a Sport Event Microenvironment

https://www.researchgate.net/publication/331469026_Air_Pollution_at_College_Football_Games_Developing_a_Methodology_for_Measuring_Air_Pollutant_Exposure_in_a_Sport_Event_Microenvironment

Running With a Mask? The Effect of Air Pollution on Marathon Runners’ Performance

https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1527002518822701

Contaminação no ar e  no esporte

https://www.kunak.es/blog/contaminacion-aire-deporte/

KNOW MORE

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.