25 February, 2019

AS LESÕES MAIS TÍPICAS DO ANDEBOL PODEM VARIAR SEGUNDO A POSIÇÃO, A CATEGORIA E A MATURIDADE DO JOGADOR

Rendimento Desportivo
160K

Para além de ser um desporto de alta intensidade, o andebol implica um contato  frequente entre os jogadores, dois fatores que  aumentam o risco de lesão. Alguns estudos  avaliaram as características desse risco, mas, nenhum deles chegou a uma conclusão suficientemente fiável, por diferentes motivos.

Agora, um trabalho realizado em todas as categorias do Andebol do FC Barcelona, em que participaram os médicos Dr. Mauricio Mónaco, pediatra e especialista em Medicina do Desporto, ex-membro da equipa médica do clube, o Dr. José Antonio Gutiérrez, responsável da equipa médica de Andebol, e o Dr. Gil Rodas,  veio esclarecer esta questão, analisando os padrões de lesão dos jogadores das diferentes categorias do clube, durante duas temporadas completas, tendo em conta vários fatores.

“Incluímos muitos jogadores, entre eles, jovens, coisa que já há muito tempo não se fazia. Todos foram muito bem estudados e de forma muito homogénea”, assegura Rodas. O resultados foram publicados na revista Biology of Sport e apontam para a existência de diferenças nos padrões de lesão, segundo a categoria, a posição em campo e, um dado particularmente inovador, segundo o grau de maturidade dos jogadores mais jovens.

 

Diferenças a ter em conta

No estudo, analisaram-se as lesões sofridas por todos os jogadores das várias categorias do clube, durante duas temporadas consecutivas. Só se excluíram os membros do primeiro plantel, uma vez que estes seguem um calendário bastante mais exigente e diferente dos restantes sujeitos da amostra, o que poderia interferir nos resultados. As idades compreendidas no estudo situaram-se entre os 12 e os 27 anos.

Embora não se tenham observado diferenças significativas no número de lesões, entre jovens e adultos, os adultos revelaram um risco superior de incidência de lesões musculares no tornozelo e na cabeça, certamente devido à maior intensidade a que são submetidos na competição.

Relativamente ao risco de lesão segundo a posição em campo, as únicas diferenças surgiram nos jogadores de segunda linha (pivôs e extremos), que sofrem mais problemas nos joelhos e nas cartilagens  articulares do que os de primeira linha ou os guarda-redes. Uma possível explicação poderá ser o facto de esses jogadores tenderem a ser de estatura superior e a sofrer  mais choques durante o jogo, no caso dos pivôs. Mas, no caso dos extremos, ainda que estes tendam a ser de estatura inferior e mais ágeis, o número elevado de saltos e quedas poderia condicionar estes resultados.

Por fim, o estudo foi muito inovador, na medida em que estudou os jogadores jovens, não só segundo a sua idade cronológica, mas também segundo o seu grau de maturidade sexual, uma característica mais próxima da sua idade biológica. Para isso, mediu-se o volume testicular e empregou-se a chamada escala de Tanner, que permite distinguir os diferentes períodos em que se divide a puberdade. Depois de se ter classificado os jogadores jovens como maduros ou imaturos, verificou-se que os imaturos revelavam um risco superior de apofisite, um tipo de lesão característica do desporto em idade escolar, em que o tendão do músculo  exerce tração sobre a cartilagem de crescimento, provocando a sua erosão.

Este estudo é o terceiro de uma série de publicações previamente lançadas na revista Apunts Medicina de l’Esport. Além disso, é o único estudo do mundo a relacionar lesões com parâmetros de maturidade no andebol. Tal como comprova um estudo recente de British Journal of Sports Medicine.

“Todos estes dados permitem-nos adotar estratégias que já há algum tempo aplicamos de imediato em cada uma das categorias “, assegura Rodas.

Tal como o Dr. Mauricio Mónaco conclui, no artigo, “devemos reforçar os programas de prevenção de lesões musculares nos adultos, mas também devemos tomar medidas para evitar a incidência de apofisite nos mais jovens”.

 

 

A equipa do Barça Innovation Hub

NOTAS RELACIONADAS

NOVOS DADOS COMO AS EXIGÊNCIAS FÍSICAS DOS FUTEBOLISTAS VARIAM CONSOANTE A SUA POSIÇÃO

Muitos dos inúmeros estudos a esse respeito, contudo, analisam essas exigências tendo apenas em conta algumas variáveis ou empregando janelas de tempo muito alargadas. Um novo estudo realizado por preparadores físicos do F.C. Barcelona analisou vários desses dados com mais precisão.

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

O QUE É REALMENTE A GESTÃO DA CARGA?

Neste artigo, Tim Gabbett e a sua equipa fornecem um guia convivial para os profissionais, ao descrever o objetivo geral da gestão de carga aos treinadores.

DUAS SEMANAS SÃO SUFICIENTES PARA AUMENTAR O VOLUME E A FORÇA MUSCULAR

Pela primeira vez se prova que não são necessários meses de treino, apenas duas semanas de exercícios adequados são o suficiente para melhorar significativamente o volume e a força muscular.

EXERCÍCIOS EXCÊNTRICOS: ESTUDAR “VACINAS” PARA OS MÚSCULOS

É importante treinar com exercícios do tipo excéntrico para prevenir possíveis danos. No entanto, o treino intensivo também pode causar alguns danos a nível muscular, que devem ser monitorizados para minimizar o risco de lesão.

O NÍVEL DE RESISTÊNCIA COMO MODERADOR DA CARGA DE TREINO

A resistência cardiovascular surgiu como moderador do resultado da carga a que se sujeita o desportista.

Estão os jogadores bem perfilados em relação à bola?

Através da visão por computador, podemos identificar alguns défices em relação à orientação corporal dos jogadores em diferentes situações de jogo.

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.