24 September, 2019

A RELAÇÃO H:Q E SUA RELAÇÃO COM AS LESÕES DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

Rendimento Desportivo
Medical services and wellness
160K

Epidemiologia

As lesões são uma das principais preocupações no campo do esporte, pois representam a principal causa de interrupção na preparação do atleta. Além disso, no caso de esportes coletivos, a lesão de um jogador não apenas supõe o destreinamento daquele jogador, mas também afeta todo o grupo quando a preparação é comprometida no nível tático. Nesse sentido, as lesões musculares são as mais prevalentes no esporte e, em particular, as que ocorrem nos isquiotibiais (também conhecidos como isquiossurais) são umas das mais comuns entre os esportes que incluem corrida, constantes mudanças de ritmo ou desaceleração abrupta da perna como nas colisões no futebolUm dos maiores problemas da lesão dos isquiotibiais, além de sua alta incidência, é a alta taxa de recorrência, já que cerca de 13% dos jogadores caem na primeira semana após retornar ao treinamento com o grupo, e ao redor de 8%, na segunda semana (Seward e Orchar, 2004). 

Entre os fatores de risco que podem favorecer a lesão da musculatura isquiossural, podemos encontrar os não modificáveis, como idade, raça ou história pregressa de lesões de características semelhantes, e os modificáveis, dentre os quais estão a falta de força e flexibilidade, a fadiga ou o desequilíbrio de força entre músculos agonistas e antagonistas (de Hoyo et al., 2013). Neste último caso, embora pareça haver alguma controvérsia na literatura sobre a relação entre a força dos músculos isquiais avaliados isoladamente e o risco de lesão, as evidências deixam poucas dúvidas sobre a associação entre um desequilíbrio dessa musculatura com o seu antagonista (músculo quadríceps) e a incidência de lesão.

Razão isquiotibial: quadríceps

A proporção isquiotibial quadríceps (H:Q, por suas siglas em inglês) refere-se à relação entre o torque de pico dos dois grupos musculares, tendo descompensação correlacionadas entre ambos com um risco significativo de danos para os músculos detrás das pernas nos jogadores de futebol profissional (Croisier et ai, 2008; Grygorowicz et al, 2017). Tradicionalmente, a relação H:Q é calculada como a força máxima do isquiotibial concentricamente dividida entre a do quadríceps (Hcon: Qcon: ) para a mesma velocidade angular. No entanto, ao longo do tempo, diferentes autores têm vindo a sugerir que a proporção da força de agonista-antagonista para a extensão e flexão do joelho seria melhor descrita como a razão entre o pico de torque em contração excêntrica do isquiotibiais e torque pico concêntrico do quadríceps (Hecc:Qcon). Isto é o que tem sido chamado de relação funcional H:Q. Assim, um estudo (Croisier et al., 2008) avaliou a força isocinética em 462 jogadores de futebol profissionais durante o treinamento de primavera, a fim de determinar se a presença de desequilíbrios entre os músculos antagonistas de ambas as pernas poderiam prever futuras lesões no tendão através do acompanhamento durante a temporada (nove meses) e se a normalização destes desequilíbrios através do trabalho compensatório da musculatura isquiossural poderia reduzir o risco de lesão.

Na Tabela 1, os resultados obtidos mostram os 216 jogadores (47%) nos quais foram observados desequilíbrios na relação H:Q e os diferentes tipos de razão e as diferentes velocidades angulares em que foram apresentados.

Tabela 1. Lista de jogadores que apresentaram desequilíbrios nos grupos musculares das pernas (Croisier et al., 2008).

Como dados relevantes podemos observar que, através da razão tradicional (Hcon:Qcon), mais de 30% (55 e 38% vs 87%) dos desequilíbrios manifestados através da razão funcional não foram detectados (Hecc:Qcon).

Uma vez avaliados, os 462 participantes foram classificados com base no fato de terem apresentado desequilíbrio muscular durante a pré-temporada ou não. O grupo que tinha, foi subdividido entre aqueles que fizeram o trabalho compensatório e aqueles que não. Por sua vez, aqueles que realizaram este trabalho foram divididos levando-se em conta se haviam sido submetidos a um pós-teste para verificar se haviam corrigido esses desequilíbrios por meio de trabalho compensatório ou não (tabela 2). 

Tabela 2. Frequência de lesões dos músculos isquiotibiais nos 4 grupos (Croisier et al., 2008).

Surpreendentemente, os dados obtidos indicam que os jogadores com desequilíbrios na relação H:Q durante a pré-temporada apresentaram uma incidência 4 vezes maior de lesão do que aqueles que não o fizeram (16,5% vs. 4,1%). Da mesma forma, o trabalho compensatório para corrigir os desequilíbrios existentes, subsequentemente avaliado através de um pós-teste, reduziu o risco de lesão, não encontrando diferenças significativas entre a frequência de lesões nestes e o grupo sem desequilíbrios durante a pré-temporada. Por último, mas não menos importante, os jogadores com uma relação Hecc:Qcon funcional superior a 1,40 não sofreram nenhuma lesão muscular nos isquiotibiais. Ou seja, o valor de 1,40 poderia ser proposto para a razão Hecc:Qconcomo um ponto de corte a partir do qual o risco de lesão seria minimizado. Com base nas pesquisas científicas mais recentes, diferentes pontos de corte foram propostos. Um dos mais difundidos e atualmente usados (erroneamente) é aquele que estabelece uma razão H:Q maior que 0,60 como o limite a partir do qual o risco de lesão diminuirá. No entanto, isso se refere à relação tradicional Hcon:Qcon que, como vimos, tem limitações quando se trata de detectar desequilíbrios musculares.

Conclusões

O risco de lesão é um dos principais fatores que limitam o desempenho, se não o mais importante. Portanto, o papel da prevenção de lesões para aumentar o desempenho esportivo é particularmente importante. Nesse sentido, a avaliação de possíveis desequilíbrios musculares por meio da relação H:Q em esportes em que a musculatura dos isquiotibiais é especialmente comprometida, como é o caso do futebol, pode ser relevante para o sucesso de uma equipe. Além disso, no caso de existir, sua correção através de exercícios compensatórios torna-se igualmente determinante. 

 

Inscreva-se para o Certificado em Médico de Equipe – Conceitos Essenciais

 

A equipe Barça Innovation Hub

 

REFERÊNCIAS:

Croisier, J. L., Ganteaume, S., Binet, J., Genty, M., e Ferret, J. M. (2008). Strength imbalances and prevention of hamstring injury in professional soccer players: a prospective study. The American Journal of Sports Medicine, 36(8), 1469-1475.

De Hoyo, M., Naranjo-Orellana, J., Carrasco, L., Sañudo, B., Jiménez-Barroca, J. J., e Domínguez-Cobo, S. (2013). Revisão da lesão dos músculos isquiotibiais no esporte: fatores de risco e estratégias para sua prevenção. Revista Andaluza de Medicina Esportiva, 6(1), 30-37.

Grygorowicz, M., Michałowska, M., Walczak, T., Owen, A., Grabski, J. K., Pyda, A., … e Kotwicki, T. (2017). Discussion about different cut-off values of conventional hamstring-to-quadriceps ratio used in hamstring injury prediction among professional male football players. PloS One, 12(12), e0188974.

Seward, H., e Orchard, J. (2004). AFL injury report 2003. Sport Health, 22(2), 7.

NOTAS RELACIONADAS

NOVOS DADOS COMO AS EXIGÊNCIAS FÍSICAS DOS FUTEBOLISTAS VARIAM CONSOANTE A SUA POSIÇÃO

Muitos dos inúmeros estudos a esse respeito, contudo, analisam essas exigências tendo apenas em conta algumas variáveis ou empregando janelas de tempo muito alargadas. Um novo estudo realizado por preparadores físicos do F.C. Barcelona analisou vários desses dados com mais precisão.

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

O QUE É REALMENTE A GESTÃO DA CARGA?

Neste artigo, Tim Gabbett e a sua equipa fornecem um guia convivial para os profissionais, ao descrever o objetivo geral da gestão de carga aos treinadores.

DUAS SEMANAS SÃO SUFICIENTES PARA AUMENTAR O VOLUME E A FORÇA MUSCULAR

Pela primeira vez se prova que não são necessários meses de treino, apenas duas semanas de exercícios adequados são o suficiente para melhorar significativamente o volume e a força muscular.

EXERCÍCIOS EXCÊNTRICOS: ESTUDAR “VACINAS” PARA OS MÚSCULOS

É importante treinar com exercícios do tipo excéntrico para prevenir possíveis danos. No entanto, o treino intensivo também pode causar alguns danos a nível muscular, que devem ser monitorizados para minimizar o risco de lesão.

O NÍVEL DE RESISTÊNCIA COMO MODERADOR DA CARGA DE TREINO

A resistência cardiovascular surgiu como moderador do resultado da carga a que se sujeita o desportista.

Estão os jogadores bem perfilados em relação à bola?

Através da visão por computador, podemos identificar alguns défices em relação à orientação corporal dos jogadores em diferentes situações de jogo.

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.