BIHUB PATH

17 March, 2020

A FLEXÃO NÓRDICA REDUZ PELA METADE AS LESÕES NOS MÚSCULOS ISQUIOSSURAIS

Saúde e Bem-Estar

INSCREVA-SE PARA O Certificado em Treinamento da Força: da Reabilitação ao Desempenho

entrar
318K

Os isquiossurais são uma das regiões musculares mais facilmente lesionadas, sobretudo nos esportes que envolvem movimentos bruscos de direção e velocidade (Bahr, Clarsen, & Ekstrand, 2018; Hägglund, Waldén, & Ekstrand, 2005). A incidência deste tipo de lesão no futebol profissional aumentou em 4% durante os últimos anos desde 2001 (Ekstrand, Waldén, & Hägglund, 2016). Em virtude disso, corpo médico, técnicos e preparadores físicos desenvolveram programas de preparação física com o objetivo de diminuir essa incidência. Um dos exercícios mais utilizados nestes programas é a flexão nórdica (NHC).

Recentemente, um estudo (van Dyk, Behan, & Whiteley, 2019) publicado pelo British Journal of Sports Medicine analisou se a inclusão deste tipo de exercício em um programa de prevenção poderia realmente diminuir o índice de lesões nos isquiossurais. Após avaliarem 15 estudos, 8.459 atletas e 525 lesões, a análise demonstrou que a inclusão da NHC reduz em 51% os riscos de lesões.

Figura. Protocolos utilizados nos programas que tiveram a inclusão da NHC (obtido pelo van Dyk et al., 2019).

Em função dos excelentes resultados e, levando em consideração os elevados componentes excêntricos destes exercícios, um dos objetivos dos preparadores físicos deveria ser o de desenvolver um programa adequado de exercícios (veja na tabela), de acordo com as condições físicas do atleta e o contexto da temporada. Resumindo, a flexão nórdica (NHC), se fosse incluída em um programa de prevenção respectivamente adequado para cada atleta, poderia reduzir substancialmente o índice de lesões nos músculos isquiossurais.

Adrián Castillo

 

Referências

Bahr, R., Clarsen, B., & Ekstrand, J. (2018). Why we should focus on the burden of injuries and illnesses, not just their incidence. British Journal of Sports Medicine, 52(16), 1018–1021. https://doi.org/10.1136/bjsports-2017-098160

Ekstrand, J., Waldén, M., & Hägglund, M. (2016). Hamstring injuries have increased by 4% annually in men’s professional football, since 2001: a 13-year longitudinal analysis of the UEFA Elite Club injury study. British Journal of Sports Medicine, 50(12), 731–737. https://doi.org/10.1136/bjsports-2015-095359

Hägglund, M., Waldén, M., & Ekstrand, J. (2005). Injury incidence and distribution in elite football—a prospective study of the Danish and the Swedish top divisions. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports, 15(1), 21–28. https://doi.org/10.1111/j.1600-0838.2004.00395.x

van Dyk, N., Behan, F. P., & Whiteley, R. (2019). Including the Nordic hamstring exercise in injury prevention programmes halves the rate of hamstring injuries: a systematic review and meta-analysis of 8459 athletes. British Journal of Sports Medicine, 53(21), 1362 LP – 1370. https://doi.org/10.1136/bjsports-2018-100045

 

NOTAS RELACIONADAS

O GRANDE DESCONHECIDO NAS LESÕES MUSCULARES: O TECIDO CONJUNTIVO DA MATRIZ EXTRACELULAR

Um editorial publicado na revista The Orthopaedic Journal of Sports Medicine —em que participaram alguns membros dos serviços médicos do clube— propõe considerar também a arquitetura íntima da zona afetada, ou seja, valorizar a matriz extracelular, como ator fundamental no prognóstico da lesão.

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.