BIHUB PATH

October 4, 2021

Futebol

A arte de achar o número certo

By David Sumpter.

Cada vez que assistimos a um programa de TV ou filme que tem a ver com estatísticas esportivas, quase sempre há uma cena com uma parede de números se deslizando pela tela, às vezes em um monitor de computador, e outras como uma espécie de efeito especial de fluxo de números flutuando no éter que rodeia nossos heróis do esporte. Esses filmes nos falam sobre quantas medidas podemos fazer por segundo da frequência cardíaca dos jogadores, a velocidade de seus movimentos e a direção de seu olhar. Tudo é registrado e monitorado.

Só que esses números não são importantes isoladamente. A chave está no uso que a gente faz deles, como os destilamos até virar um único número. Geralmente falamos deles como os Indicadores Chave de Performance: KPIs pela sua sigla em inglês (Key Performance Indicator) ou métricas. Usarei essa sigla de agora em diante.

Vamos concretizar essa ideia de KPI com um exemplo: a regra dos cinco segundos, geralmente atribuída ao time de Pep Guardiola do Barcelona de 2008-12, e agora uma ideia bem conhecida no jogo: “se você perder a bola no ataque, recupera ela nos cinco segundos seguintes, caso contrário volte para uma defesa mais tradicional”.

Essa regra nos leva a um KPI muito natural: com que frequência recuperamos a bola dentro dos 5 segundos de perdê-la? Na hora de fazer essa medição, é importante considerar também a posição no campo. A ‘regra dos cinco segundos’ é usada principalmente no ataque, então as recuperações da bola no último terço da quadra são mais importantes (e frequentemente mais perigosas) do que na metade do próprio time.

Ao implementar este KPI no Hammarby, dividimos o campo de jogo em nove seções. Aqui estão as estatísticas para os primeiros 10 jogos da temporada de 2020:

A porcentagem representa a proporção de vezes que Hammarby recuperou a bola depois de perdê-la em cada seção do campo. A diferença de cores reflete essa porcentagem: laranja é ruim, verde é bom. Os números abaixo mostram o mesmo número como uma fração, então podemos ver quantas vezes perdemos a bola em diferentes zonas.

Os números neste momento da temporada foram decepcionantes para o Hammarby, significativamente reduzido em relação à temporada anterior, onde pressionar e recuperar a bola tinha sido uma grande parte do plano de jogo. Especialmente, na área perigosa em frente ao gol do adversário, Hammarby perdeu a bola 83 vezes e a recuperou em 5 segundos apenas oito vezes.

Apresentada dessa forma, a estatística torna-se um dado com o qual a equipe pode trabalhar em conjunto para melhorar.Ao invés de dizer ‘não marcamos gols o suficiente’ ou ‘não criamos chances suficientes’, podemos analisar uma característica específica do nosso jogo e pensar juntos como melhorar esse aspecto.

Hammarby melhorou a contrapressão e a recuperação da bola no final da temporada. Aqui estão os números dos últimos 10 jogos da temporada.

As recuperações de bola de Hammarby na área em frente aos gols do adversário dobraram. A equipe havia trabalhado em conjunto para melhorar seu desempenho.

O KPI de ‘5 segundos’ tem uma característica importante: é baseado num princípio do futebol. Fundamentalmente, o futebol é o esporte do povo, não de uma elite. É uma atividade popular. É um conhecimento cheio de práticas, transmitido mediante jogadores que observam os outros e aprendem, por meio de instruções verbais na quadra assim como da prática de técnicas repetidas vezes, seja individualmente como com amigos. Trabalhar juntos para recuperar a bola rapidamente é um desses princípios do futebol.

No entanto, os KPIs costumam ser as ferramentas utilizadas por professores de economia, executivos de negócios e graduados em programas de MBA. A cultura deles é sobre medição e metas. Existe um desejo de controlar e prever.

O segredo para criar um bom KPI está em achar algo que combine as práticas básicas do futebol e a cultura de medição e previsão. Lembre-se do mantra desta série de artigos: “o futebol é um sistema complexo, portanto, existem muitas maneiras válidas de analisá-lo”. E este mantra se aplica aqui: temos duas maneiras diferentes de olhar para o jogo, como juntá-las?

O KPI de ‘cinco segundos’ é uma das respostas para essa pergunta. Outros KPIs valiosos -alguns dos quais serão tratados em artigos futuros- incluem tackles no terço final, ritmo de passes, passes descentralizados, criação de espaços sem a bola e variação no estilo de ataque. Geralmente, ao criar um KPI, é preciso se perguntar o seguinte: por que você está coletando informações de um KPI sobre um time de futebol?

Se a resposta for que é simplesmente para afirmar sua autoridade, então você devia se preocupar em não gerar um KPI pelos motivos certos. Por exemplo, determinar um objetivo para metas ou geração de oportunidades (metas esperadas) é perigoso, pois você se concentra apenas no resultado, não no processo. Mas se a resposta for que você está tentando capturar e compreender os objetivos não escritos, e talvez até não declarados, da equipe toda, então está no caminho certo. Uma medição deve ajudar a todos a seguirem em frente, uma tentativa de capturar algo que toda a organização concorda que vale a pena medir.

KNOW MORE

¿VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

FIQUE ATUALIZADO COM NOSSAS NOVIDADES

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Corporate

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.