24 September, 2018

NUTRIÇÃO DE RECUPERAÇÃO PARA O FUTEBOL: CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPA

Saúde e Bem-Estar
Rendimento Desportivo
Desportos Colectivos
Blog
160K

 

Conferência sobre Nutrição Desportiva do GSSI e do FCB: “Nutrição de Recuperação para o Futebol”

Rollo, I* e van Loon, L.J.C

 

Ao longo da história do futebol, a nutrição manteve-se na base da lista de prioridades de técnicos e médicos, na preparação dos jogadores para a competição.  A expressão “construção de uma equipa” refere-se geralmente ao recrutamento de novos jogadores e pessoal e à experimentação de táticas, com vista a desempenhos vitoriosos.  Contudo, quando literalmente interpretada, sugere que o nutricionista desportivo é quem poderá ter maior influência na “construção” de uma equipa de sucesso.

As técnicas desenvolvidas para rotular intrinsecamente a proteína deram provas de que o corpo humano  utiliza os alimentos ingeridos na construção de novos tecidos(van Loon et al., 2009; Pennings et al., 2011). Desse modo, o corpo do futebolista resulta dos alimentos e nutrientes que ele ingere diariamente. Além disso, os métodos dos isótopos estáveis permitiram a quantificação direta das taxas de síntese proteica de vários tecidos corporais e o cálculo das taxas de renovação (Koopman et al., 2006). Subsequentemente, sabemos que o corpo do futebolista se encontra num constante estado de fluxo e que os tecidos vitais, como o músculo esquelético, sofrem um processo contínuo de degradação e ressintetização.

No futebol profissional, as exigências físicas dos jogos intensificaram-se(Bush et al., 2015). Além disso, a combinação da sobrecarga de jogos e de períodos curtos de recuperação entre os desafios contribui para o aumento do risco de lesão (Dellal et al., 2013) e a redução do desempenho físico (Rollo et al., 2014).  O objetivo da conferência de hoje é aliar a teoria da nutrição de recuperação à prática . Mais especificamente, a “ciência” da nutrição desportiva fornece provas e razões para fundamentar as estratégias “práticas” de nutrição de recuperação. Aqui, apresentamos as duas sessões da conferência, uma sobre proteína e outras sobre a hidratação, e debatemos a relevância da nutrição na “construção de uma equipa”.

 

A proteína

A conferência começará por abordar o tema da proteína. No corpo do jogador, as proteínas são constantemente decompostas em aminoácidos, que ficam disponíveis para a síntese de outras proteínas. Os novos aminoácidos são aportados pela nutrição, enquanto o aminoácidos em excesso são ora oxidados ora metabolizados em ácidos gordos ou glucose . Tecido importante, o músculo é responsável por 25-30% do metabolismo proteico do corpo no seu todo. A quantidade de músculo esquelético dependerá da dimensão e da composição corporais do jogador. Dois exemplos de proteína são as fibras contráteis dos músculos e as enzimas necessárias para as reações bioquímicas no corpo do jogador. Um jogador do sexo masculino, médio, com 70 kg, contém aproximadamente 12 kg de proteína e 220 g de aminoácidos livres.

Muitas das adaptações que nos interessam para promover o desempenho futebolístico ocorrem no próprio músculo. O equilíbrio do ciclo de síntese e degradação proteica dita a ocorrência da síntese proteica líquida. Se as taxas de degradação proteica forem superiores às taxas de síntese proteica, o conteúdo proteico sofre uma redução; em contrapartida, o conteúdo de proteína muscular só pode aumentar se a taxa de síntese exceder a taxa de degradação. As investigações centraram-se maioritariamente na síntese proteica, mas ambos os processos (de degradação e síntese) são importantes. Crê-se que a síntese proteica seja o principal motor do equilíbrio proteico positivo, porque a degradação proteica não sofre tantas alterações. Por outro lado, também se crê que a degradação proteica é importante, porque remove as proteínas danificadas e permite a sintetização de novas proteínas. Assim, o segredo para uma célere recuperação é aumentar a renovação proteica (tanto a síntese como a decomposição), em vez de só reduzir a decomposição (Phillips e Van Loon 2011; Phillips 2014).

O músculo esquelético tem uma taxa de renovação de cerca de 1-2% por dia. Teoricamente, portanto, os músculos das pernas que o jogador mobiliza, por exemplo, para se deslocar, passar a bola e marcar um golo, “renovar-se-iam” totalmente no espaço de seis semanas. Na época de competição, pois, o sistema muscular do jogador, no seu todo, pode ser decomposto e reconstruído aproximadamente seis vezes.  As diretrizes de consumo diário de proteína para um jogador com 70 kg variam, entre 1,3 e 1,8 g/ kg por dia (Phillips e Van Loon 2011). Isso equivale a cerca de 120 g de proteína, dividida em seis refeições de cerca de 20 g de proteína cada, a intervalos de cerca de 3 horas (Phillips e Van Loon 2011). Contudo, é possível acelerar a resposta proteico-sintética pós-exercício, otimizando a quantidade (Moore 2015), o horário (Tipton 2007; Tipton et al., 2007; Beelen et al., 2008) e a qualidade (van Loon 2012) do consumo proteico depois dos treinos e dos jogos.

 

Os tecidos tendinoso e conjuntivo

Os tendões e os tecidos conjuntivos, como os ligamentos, são vitais para o desempenho futebolístico, porque são estes tecidos que unem o sistema músculo-esquelético e estabilizam o movimento nas articulações. As distensões e os entorses dos tecidos moles (tendões e ligamentos) perfazem mais de 60 % do total das lesões reportadas na Primeira Liga Inglesa(Hawkins et al., 2001). A fisiologia tendinosa e ligamentosa é diferente da fisiologia muscular (Kjaer et al., 2009). Isso deve-se ao facto de os tendões e os ligamentos terem um fluxo sanguíneo limitado e dependerem do aporte de nutrientes que fluem em grandes volumes no sangue (Baar 2015). A renovação tendinosa é significativamente mais reduzida do que a renovação muscular.

Não obstante, há provas iniciais indicadoras de que a nutrição pode aumentar as oportunidades de reabilitação do tecido tendinoso. Isso deve-se ao facto de a proteína ingerida poder complementar os sucessivos anéis de colagénio que envolvem o núcleo, fortalecendo a estrutura. Mais concretamente, há indícios de que a ingestão de gelatina aumenta eficazmente as concentrações dos aminoácidos glicina, prolina, hidroxiprolina e hidroxilisina em circulação (Shaw et al., 2016). Em acréscimo, a ingestão de gelatina (15 g ingerida com 50 mg de vitamina C), 1 hora antes do exercício, demonstrou aumentar os marcadores sanguíneos (propeptídeo amino-terminal do colagénio tipo I) relacionados com o aumento da síntese do colagénio (Shaw et al., 2016). Embora ainda seja necessário fazer mais investigações, a ingestão de gelatina é uma intervenção nutricional promissora para melhorar a função dos tecidos conjuntivos e acelerar a recuperação das lesões músculo-esqueléticas. Esta intervenção poderá também assumir uma grande relevância para as populações que sofrem uma incidência elevada de lesões ligamentosas, como é o caso das futebolistas (Celebrini et al., 2012; Celebrini et al., 2014; De Ste Croix et al., 2015).

Dada a taxa reduzida de renovação tendinosa, os jogadores manterão provavelmente a mesma proteína tendinosa “nuclear”, entre os 17 e os 70 anos (Heinemeier et al., 2013). Isso significa que os jogadores terão os mesmos tendões, não só durante uma época, mas, até, ao longo de toda a sua carreira na competição. No entanto, os estudos que proveram a prolina de vitamina C reportaram melhorias na síntese do colagénio (Paxton et al., 2010), o que confirma a possibilidade de se estimular a reabilitação no decurso da época, com medidas adequadas de carga e nutrição(Shaw et al., 2016).

Figura 1. Reabilitação do tecido do jogador em época de competição

 

A hidratação

À tarde, a terceira sessão da conferência centra-se na hidratação e no reabastecimento. A quantidade de água que um jogador tem no corpo dependerá da sua dimensão e da sua composição corporais. Quantidades superiores de massa magra estão associadas a volumes superiores de água corporal. Desse modo, o volume de água corporal dos jogadores pode variar, aproximadamente, entre 30 l e 50 l, perfazendo 55-70 % da respetiva massa corporal  (Wang et al., 1999). O volume de água corporal dos jogadores saudáveis está bem regulado (Raman et al., 2004). Contudo, quanto maior for a sua participação em treinos e jogos, maior será a sua necessidade de renovação de líquidos. Isso deve-se ao facto de, em ambientes frios e quentes, a sudorese ser o principal mecanismo para dissipar o calor metabólico gerado em consequência da prática desportiva do futebol (Ekblom 1986; Shirreffs et al., 2005). As taxas de sudorese reportadas nos jogadores variam entre 0,5 l·h-1 e 2,5 l·h-1 (Broad et al., 1996; Maughan et al., 2005; Shirreffs et al., 2005; Da Silva et al., 2012; Baker et al., 2016; Nuccio et al., 2017).

Se partirmos de um volume total de água corporal superior, isto é, de 50 l, num ambiente fresco de treino de baixa intensidade, o corpo renovaria os níveis totais de água, após 100 horas de jogo. No entanto, em jogos que decorram em ambientes quentes, a uma modesta taxa de sudorese de 1,5 l·h-1, a renovação dos níveis totais de água ocorreria ao fim de aproximadamente 33 horas de jogo. Na prática, o volume total de água corporal teria de ser renovado em menos de quatro semanas, para um jogador que fizesse dois jogos por semana e uma sessão de treino de um hora entre os jogos. Numa época de 38 semanas, portanto, o volume total de água corporal poderá renovar-se, pelo menos, dez vezes.

Tanto a hipohidratação aguda como a crónica, equivalente a um défice de >2-3 % da massa corporal pré-exercício, poderão, durante o exercício, aumentar a tensão cardiovascular (Armstrong et al., 1997), comprometer a função cognitiva (Ganio et al., 2011; Nuccio et al., 2017) e aumentar a perceção do esforço (McGregor et al., 1999). Isso poderá traduzir-se num desempenho futebolístico técnica (Mohr e Krustrup 2013) e fisicamente reduzido (McGregor et al., 1999). Para o evitar, após o exercício, os jogadores devem procurar compensar quaisquer défices de líquidos (Maughan e Leiper 1995). Em geral, basta práticas normais de alimentação e hidratação para estabelecer a euhidratação. Durante a pré-época ou nos períodos de sobrecarga de jogos, porém, é possível conseguir uma hidratação rápida e completa, bebendo 1,5 l de um líquido contendo sódio por cada quilo de perda de massa corporal do jogador (Thomas et al., 2016). Estratégias, como a de pesar os jogadores à entrada e à saída dos treinos, permitem a elaboração de planos de hidratação personalizados e, portanto, a monitorização da renovação de líquidos (Maughan e Shirreffs 2008).

 

O cérebro

O cérebro é um órgão vital para o desempenho futebolístico, mas o seu papel tende a ser esquecido. Este artigo não visa abordar questões associadas à psicologia do jogador, mas é importante reconhecer que é o cérebro que tem de ceder espaço, tomar decisões táticas, regular os processos corporais e conduzir o recrutamento muscular para completar o movimento físico que o futebol exige.  A tomada de decisões e a capacidade para tomar as decisões corretas a alta velocidade serão, certamente, elementos fundamentais que contribuem para diferenciar os jogadores de elite dos jogadores recreativos.

São claras as razões para a falta de informação relativamente ao tecido cerebral e às taxas de síntese proteica in vivo nos seres humanos. Contudo, um estudo recente de Smeets e colegas utilizou os métodos dos isótopos estáveis para avaliar diretamente a síntese proteica do cérebro em pacientes submetidos a um lobectomia temporal (Smeets et al., 2018). É fascinante constatar que as taxas de síntese proteica do tecido cerebral eram 3 a 4 vezes superiores às do tecido músculo-esquelético, muito superiores ao que anteriormente se supunha. Assim surge a hipótese de o cérebro dos jogadores se poder regenerar completamente no espaço de duas semanas. Teoricamente, isso significa que, durante a época de competição, os jogadores teriam 20 “novos” cérebros. Esta investigação ainda é incipiente, e está por apurar o impacto que a alimentação e o exercício, por um lado, e que a atividade futebolística em si, com o cabeceamento repetitivo da bola, por outro, podem ter na renovação da síntese proteica .

A literatura atualmente disponível ainda não permite a elaboração de diretrizes nutricionais sólidas para apoiar a reabilitação das proteínas cerebrais. Um conselho prudente seria garantir que o jogador mantenha os devidos níveis de hidratação, especialmente se jogar num ambiente quente (consulte a secção sobre hidratação, mais acima) (Maughan et al., 2007) e consumo proteico (Phillips e Van Loon 2011). Pode-se igualmente ponderar a toma de vários suplementos, como ácidos gordos omega 3 e creatina, os principais compostos atualmente em estudo(Ashbaugh e McGrew 2016). A ingestão de doses superiores de ácidos gordos omega 3 poderá melhorar os resultados de curto prazo, no seguimento de lesões na cabeça, como a concussão (Lewis 2016). É o crescimento de neurites, o aumento da ramificação de neurites e a subsequente sinaptogénese que o tornam possível, pois tudo isso contribui para a melhoria da função sináptica e a reparação neuronal, após uma lesão na cabeça (Kim e Spector 2013). Além disso, há indícios de que os ácidos gordos omega 3 normalizam os níveis de proteínas associadas à função do circuito neuronal e controlo locomotor, após a ocorrência de uma concussão (Wu et al., 2011). Por outro lado, já se verificou que a suplementação com monohidrato de creatina melhora a energética cerebral(Pan e Takahashi 2007; Turner et al., 2015). Isso poderá resultar em melhorias ao nível da cognição, da comunicação, dos cuidados pessoais, da personalidade e do comportamento (Sakellaris et al., 2006), tudo fatores relevantes para o desempenho futebolístico e com potenciais propriedades de reabilitação cerebral (Sakellaris et al., 2008).

 

RESUMO

O corpo do futebolista está continuamente a renovar-se com o substrato que a alimentação lhe proporciona. Assim, em termos físicos, no início da época, o jogador poderá ser quase completamente diferente do que virá a ser, no fim da época. As observações científicas salientam a importância de adotar estratégias de nutrição práticas e adequadas, para otimizar a reabilitação tecidual e, desse modo, “recuperar” e “construir” futebolistas resistentes e capazes.

 

 

*Exoneração de responsabilidade: Ian Rollo é funcionário do Gatorade Sports Science Institute, uma divisão da PepsiCo, Inc. As opiniões expressadas neste artigo são do autor e não refletem necessariamente a posição ou a política da PepsiCo, Inc.

 

 

REFERÊNCIAS

Armstrong, L. E., C. M. Maresh, C. V. Gabaree, J. R. Hoffman, S. A. Kavouras, R. W. Kenefick, J. W. Castellani e L. E. Ahlquist (1997). Thermal and circulatory responses during exercise: effects of hypohydration, dehydration, and water intake. J Appl Physiol (1985) 82(6): 2028-2035.

Ashbaugh, A. e C. McGrew (2016). The Role of Nutritional Supplements in Sports Concussion Treatment. Curr Sports Med Rep 15(1): 16-19.

Baar, K. (2015). TRAINING AND NUTRITION TO PREVENT SOFT TISSUE INJURIES AND ACCELERATE RETURN TO PLAY. Sports Science Exchange 28(142): 1-6.

Baker, L. B., K. A. Barnes, M. L. Anderson, D. H. Passe e J. R. Stofan (2016). Normative data for regional sweat sodium concentration and whole-body sweating rate in athletes. J Sports Sci 34(4): 358-368.

Beelen, M., M. Tieland, A. P. Gijsen, H. Vandereyt, A. K. Kies, H. Kuipers, W. H. Saris, R. Koopman e L. J. van Loon (2008). Coingestion of carbohydrate and protein hydrolysate stimulates muscle protein synthesis during exercise in young men, with no further increase during subsequent overnight recovery. J Nutr 138(11): 2198-2204.

Broad, E. M., L. M. Burke, G. R. Cox, P. Heeley e M. Riley (1996). Body weight changes and voluntary fluid intakes during training and competition sessions in team sports. Int J Sport Nutr 6(3): 307-320.

Bush, M., C. Barnes, D. T. Archer, B. Hogg e P. S. Bradley (2015). Evolution of match performance parameters for various playing positions in the English Premier League. Hum Mov Sci 39: 1-11.

Celebrini, R. G., J. J. Eng, W. C. Miller, C. L. Ekegren, J. D. Johnston, T. A. Depew e D. L. Macintyre (2014). Effect of a novel movement strategy in decreasing ACL risk factors in female adolescent soccer players: a randomized controlled trial. Clin J Sport Med 24(2): 134-141.

Celebrini, R. G., J. J. Eng, W. C. Miller, C. L. Ekegren, J. D. Johnston e D. L. MacIntyre (2012). The effect of a novel movement strategy in decreasing ACL risk factors in female adolescent soccer players. J Strength Cond Res 26(12): 3406-3417.

Da Silva, R. P., T. Mundel, A. J. Natali, M. G. Bara Filho, R. C. Alfenas, J. R. Lima, F. G. Belfort, P. R. Lopes e J. C. Marins (2012). Pre-game hydration status, sweat loss, and fluid intake in elite Brazilian young male soccer players during competition. J Sports Sci 30(1): 37-42.

De Ste Croix, M. B., A. M. Priestley, R. S. Lloyd e J. L. Oliver (2015). ACL injury risk in elite female youth soccer: Changes in neuromuscular control of the knee following soccer-specific fatigue. Scand J Med Sci Sports 25(5): e531-538.

Dellal, A., C. Lago-Penas, E. Rey, K. Chamari e E. Orhant (2013). The effects of a congested fixture period on physical performance, technical activity and injury rate during matches in a professional soccer team. Br J Sports Med.

Ekblom, B. (1986). Applied physiology of soccer. Sports Med 3(1): 50-60.

Ganio, M. S., L. E. Armstrong, D. J. Casa, B. P. McDermott, E. C. Lee, L. M. Yamamoto, S. Marzano, R. M. Lopez, L. Jimenez, L. Le Bellego, E. Chevillotte e H. R. Lieberman (2011). Mild dehydration impairs cognitive performance and mood of men. Br J Nutr 106(10): 1535-1543.

Hawkins, R. D., M. A. Hulse, C. Wilkinson, A. Hodson e M. Gibson (2001). The association football medical research programme: an audit of injuries in professional football. Br J Sports Med 35(1): 43-47.

Heinemeier, K. M., P. Schjerling, J. Heinemeier, S. P. Magnusson e M. Kjaer (2013). Lack of tissue renewal in human adult Achilles tendon is revealed by nuclear bomb (14)C. Faseb J 27(5): 2074-2079.

Kim, H. Y. e A. A. Spector (2013). Synaptamide, endocannabinoid-like derivative of docosahexaenoic acid with cannabinoid-independent function. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids 88(1): 121-125.

Kjaer, M., H. Langberg, K. Heinemeier, M. L. Bayer, M. Hansen, L. Holm, S. Doessing, M. Kongsgaard, M. R. Krogsgaard e S. P. Magnusson (2009). From mechanical loading to collagen synthesis, structural changes and function in human tendon. Scand J Med Sci Sports 19(4): 500-510.

Koopman, R., L. Verdijk, R. J. Manders, A. P. Gijsen, M. Gorselink, E. Pijpers, A. J. Wagenmakers e L. J. van Loon (2006). Co-ingestion of protein and leucine stimulates muscle protein synthesis rates to the same extent in young and elderly lean men. Am J Clin Nutr 84(3): 623-632.

Lewis, M. D. (2016). Concussions, Traumatic Brain Injury, and the Innovative Use of Omega-3s. J Am Coll Nutr 35(5): 469-475.

Maughan, R. J. e J. B. Leiper (1995). Sodium intake and post-exercise rehydration in man. Eur J Appl Physiol Occup Physiol 71(4): 311-319.

Maughan, R. J. e S. M. Shirreffs (2008). Development of individual hydration strategies for athletes. Int J Sport Nutr Exerc Metab 18(5): 457-472.

Maughan, R. J., S. M. Shirreffs, S. J. Merson e C. A. Horswill (2005). Fluid and electrolyte balance in elite male football (soccer) players training in a cool environment. J Sports Sci 23(1): 73-79.

Maughan, R. J., S. M. Shirreffs e P. Watson (2007). Exercise, heat, hydration and the brain. J Am Coll Nutr 26(5 Suppl): 604S-612S.

McGregor, S. J., C. Nicholas, W., H. W. Lakomy e C. Williams (1999). The influence of intermittent high-intensity shuttle running and fluid ingestion on the performance of a football skill. . J Sports Sci 17(11): 895-903.

Mohr, M. e P. Krustrup (2013). Heat stress impairs repeated jump ability after competitive elite soccer games. J Strength Cond Res 27(3): 683-689.

Moore, D. R. (2015). Nutrition to Support Recovery from Endurance Exercise: Optimal Carbohydrate and Protein Replacement. Curr Sports Med Rep 14(4): 294-300.

Nuccio, R. P., K. A. Barnes, J. M. Carter e L. B. Baker (2017). Fluid Balance in Team Sport Athletes and the Effect of Hypohydration on Cognitive, Technical, and Physical Performance. Sports Med 47(10): 1951-1982.

Pan, J. W. e K. Takahashi (2007). Cerebral energetic effects of creatine supplementation in humans. Am J Physiol Regul Integr Comp Physiol 292(4): R1745-1750.

Paxton, J. Z., L. M. Grover e K. Baar (2010). Engineering an in vitro model of a functional ligament from bone to bone. Tissue Eng Part A 16(11): 3515-3525.

Pennings, B., W. F. Pellikaan, J. M. Senden, A. M. van Vuuren, J. Sikkema e L. J. van Loon (2011). The production of intrinsically labeled milk and meat protein is feasible and provides functional tools for human nutrition research. J Dairy Sci 94(9): 4366-4373.

Phillips, S. M. (2014). A brief review of higher dietary protein diets in weight loss: a focus on athletes. Sports Med 44 Suppl 2: S149-153.

Phillips, S. M. e L. J. Van Loon (2011). Dietary protein for athletes: from requirements to optimum adaptation. J Sports Sci 29 Suppl 1: S29-38.

Raman, A., D. A. Schoeller, A. F. Subar, R. P. Troiano, A. Schatzkin, T. Harris, D. Bauer, S. A. Bingham, J. E. Everhart, A. B. Newman e F. A. Tylavsky (2004). Water turnover in 458 American adults 40-79 yr of age. Am J Physiol Renal Physiol 286(2): F394-401.

Rollo, I., F. M. Impellizzeri, M. Zago e F. M. Iaia (2014). Effects of 1 versus 2 games a week on physical and subjective scores of subelite soccer players. Int J Sports Physiol Perform 9(3): 425-431.

Sakellaris, G., M. Kotsiou, M. Tamiolaki, G. Kalostos, E. Tsapaki, M. Spanaki, M. Spilioti, G. Charissis e A. Evangeliou (2006). Prevention of complications related to traumatic brain injury in children and adolescents with creatine administration: an open label randomized pilot study. J Trauma 61(2): 322-329.

Sakellaris, G., G. Nasis, M. Kotsiou, M. Tamiolaki, G. Charissis e A. Evangeliou (2008). Prevention of traumatic headache, dizziness and fatigue with creatine administration. A pilot study. Acta Paediatr 97(1): 31-34.

Shaw, G., A. Lee-Barthel, M. L. Ross, B. Wang e K. Baar (2016). Vitamin C-enriched gelatin supplementation before intermittent activity augments collagen synthesis. Am J Clin Nutr.

Shirreffs, S. M., L. F. Aragon-Vargas, M. Chamorro, R. J. Maughan, L. Serratosa e J. J. Zachwieja (2005). The sweating response of elite professional soccer players to training in the heat. Int J Sports Med 26(2): 90-95.

Smeets, J. S. J., A. M. H. Horstman, O. Schijns, J. T. A. Dings, G. Hoogland, A. P. Gijsen, J. P. B. Goessens, F. G. Bouwman, W. Wodzig, E. C. Mariman e L. J. C. van Loon (2018). Brain tissue plasticity: protein synthesis rates of the human brain. Brain 141(4): 1122-1129.

Thomas, D. T., K. A. Erdman e L. M. Burke (2016). American College of Sports Medicine Joint Position Statement. Nutrition and Athletic Performance. Med Sci Sports Exerc 48(3): 543-568.

Tipton, K. D. (2007). Role of protein and hydrolysates before exercise. Int J Sport Nutr Exerc Metab 17 Suppl: S77-86.

Tipton, K. D., T. A. Elliott, M. G. Cree, A. A. Aarsland, A. P. Sanford e R. R. Wolfe (2007). Stimulation of net muscle protein synthesis by whey protein ingestion before and after exercise. Am J Physiol Endocrinol Metab 292(1): E71-76.

Turner, C. E., W. D. Byblow e N. Gant (2015). Creatine supplementation enhances corticomotor excitability and cognitive performance during oxygen deprivation. J Neurosci 35(4): 1773-1780.

van Loon, L. J. (2012). Leucine as a pharmaconutrient in health and disease. Curr Opin Clin Nutr Metab Care 15(1): 71-77.

van Loon, L. J., Y. Boirie, A. P. Gijsen, J. Fauquant, A. L. de Roos, A. K. Kies, S. Lemosquet, W. H. Saris e R. Koopman (2009). The production of intrinsically labeled milk protein provides a functional tool for human nutrition research. J Dairy Sci 92(10): 4812-4822.

Wang, Z., P. Deurenberg, W. Wang, A. Pietrobelli, R. N. Baumgartner e S. B. Heymsfield (1999). Hydration of fat-free body mass: review and critique of a classic body-composition constant. Am J Clin Nutr 69(5): 833-841.

Wu, A., Z. Ying e F. Gomez-Pinilla (2011). The salutary effects of DHA dietary supplementation on cognition, neuroplasticity, and membrane homeostasis after brain trauma. J Neurotrauma 28(10): 2113-2122.

NOTAS RELACIONADAS

O QUE É REALMENTE A GESTÃO DA CARGA?

Neste artigo, Tim Gabbett e a sua equipa fornecem um guia convivial para os profissionais, ao descrever o objetivo geral da gestão de carga aos treinadores.

Rendimento Desportivo
Blog

DUAS SEMANAS SÃO SUFICIENTES PARA AUMENTAR O VOLUME E A FORÇA MUSCULAR

Pela primeira vez se prova que não são necessários meses de treino, apenas duas semanas de exercícios adequados são o suficiente para melhorar significativamente o volume e a força muscular.

Análise e Tecnologia Desportiva
Desportos Colectivos
Blog

Graus de liberdade ou de escravidão?

A compreensão das variáveis modificadoras do jogo, com base nos graus de liberdade.

O futebol a partir dos primeiros princípios

O objetivo desta publicação é delinear uma série de princípios considerados cruciais para compreender o o desenvolvimento do estilo de jogo do FC Barcelona.

Rendimento Desportivo
Desportos Colectivos
Blog

EXERCÍCIOS EXCÊNTRICOS: ESTUDAR “VACINAS” PARA OS MÚSCULOS

É importante treinar com exercícios do tipo excéntrico para prevenir possíveis danos. No entanto, o treino intensivo também pode causar alguns danos a nível muscular, que devem ser monitorizados para minimizar o risco de lesão.

A CIRURGIA EM LESÕES DO TENDÃO CENTRAL DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO PRÓPRIO

De há dois anos para cá, a equipa médica do F.C. Barcelona decidiu operar os atletas com esse tipo de lesão. Quais foram os resultados obtidos?

UMA CLASSIFICAÇÃO OBJETIVA DAS LESÕES MUSCULARES

Uma boa e objetiva classificação “melhoraria a precisão do prognóstico, permitira ajustar o tratamento e reduzir o risco de relesão.

O ESTUDO DAS ACELERAÇÕES E DESACELERAÇÕES DE ALTA INTENSIDADE NO FUTEBOL

Uma nova dimensão de análise sugere que as acelerações máximas ocorrem com uma freqüência maior que 8 vezes em ações de sprint.

Rendimento Desportivo
Desportos Colectivos
Blog

O NÍVEL DE RESISTÊNCIA COMO MODERADOR DA CARGA DE TREINO

A resistência cardiovascular surgiu como moderador do resultado da carga a que se sujeita o desportista.

CARGA DE TREINO NA PRÉ-TEMPORADA E RISCO DE LESÃO

A pré-temporada ou fase preparatória da temporada é um dos momentos da temporada onde são geralmente cometidos os maiores “erros” de gestão de carga de treino.

Rendimento Desportivo
Blog

Estão os jogadores bem perfilados em relação à bola?

Através da visão por computador, podemos identificar alguns défices em relação à orientação corporal dos jogadores em diferentes situações de jogo.

Saúde e Bem-Estar
Blog

O exame médico do desportista: um exame essencial

Um exame de saúde deve ser capaz de detetar situações que, apesar de não apresentarem sintomas evidentes, possam pôr em perigo um desportista sujeito a um grande esforço.

Os espaços no futebol sob uma perspetiva quantitativa

Nas palavras de Johan Cruyff, “os jogadores, na verdade, têm posse da bola, em média, durante 3 minutos. Portanto, o mais importante é: o que fazer durante os outros 87 minutos em que não se tem a bola? É isto que determina a qualidade do jogador.”

O diagnóstico de imagiologia na medicina desportiva: presente e futuro

As lesões musculares representam mais de 30 % de todas as lesões sofridas em desportos como o futebol.

FOOTBALL COACH ANALYTICS SUMMIT

Ciutat Esportiva Joan Gamper, Barcelona
14 de novembro de 2018

VOCÊ QUER SABER MAIS?

  • ASSINAR
  • CONTATO
  • CANDIDATAR-SE

MANTENHA O DIA COM NOSSAS NOTÍCIAS

Você tem dúvidas sobre o Barça Universitas?

  • Startup
  • Centro de investigação
  • Empreendimento

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

Por favor, preencha os campos:

O formulário foi enviado com sucesso.